O que são investimentos digitais? E quais as etapas para começar neste mercado?

Uma das coisas mais comuns que existem quando falamos de investimentos é encontrar alguma pessoa que diga “até consigo fazer sobrar dinheiro, mas não tenho a menor ideia do que fazer com ele”. Quando o assunto é dinheiro, a grande vantagem da internet foi ter trazido meios digitais que democratizam esse acesso e facilitam a vida de todo mundo.

Se o seu interesse é saber mais sobre como pode investir de maneira digital, razoavelmente fácil e rápida, chegou ao lugar certo. Vamos falar sobre quatro etapas que impactam sobre a decisão de caminhar rumo a uma vida financeira em que você fará o dinheiro render.

Ao longo desse artigo você vai descobrir algo interessante: a plataforma de investimento digital importa, mas existem outros aspectos que impactam ainda mais diretamente do que a escolha que você faz dela. Sem spoilers, vamos adiante!

Primeira etapa: descobrindo o perfil de investimento

Tá, você tem dinheiro sobrando e quer saber o que fazer com isso. Mas antes mesmo de começar, aqui não vai uma dica, mas uma orientação bastante explícita: descubra primeiro que tipo de investimento é mais adequado para você.

Assim como hoje são mais acessíveis os investimentos de maneira digital, também são bastante acessíveis os testes possíveis para que você diagnostique em qual perfil se encaixa mais. Geralmente são três os tipos: conservador, moderado e arrojado.

Do conservador ao arrojado, a diferença é basicamente o nível de risco que quem investe aceita correr de maneira consciente. Quem é mais conservador não gosta de perder com oscilações, moderados aceitam um pouco disso por retornos mais altos e arrojados se importam pouco com chacoalhões ao longo do tempo contanto que os retornos sejam maiores no futuro.

Aqui não há certo nem errado, mas sim o que é mais adequado para você. Não saber seu perfil antes de começar a investir, qualquer que seja o investimento pode te fazer ficar frustrado caso os resultados sejam menores do que podiam (um arrojado investindo como conservador) ou assustado caso as oscilações sejam fortes demais para o seu perfil (conservador investindo como arrojado).

Segunda etapa: escolhendo os investimentos ideais para o perfil

O mundo dos investimentos digitais é bastante amplo e com várias opções disponíveis, mas partindo do ponto de que você conhece seu próprio perfil, agora é preciso olhar para as possibilidades que existem. Vamos ver cada uma delas em detalhes:

Perfil conservador: muita calma nessa hora

Quem está nessa classe prefere que seu dinheiro esteja mais seguro e menos passível de oscilações fortes. Então, nesse caso, são mais indicados os investimentos em renda fixa como o caso de CDBs, LCIs e LCAs (quando falamos em títulos privados), Tesouro Direto (quando o assunto são os títulos públicos) e fundos de investimento de renda fixa.

Os investimentos aqui presentes são mais para investidores iniciantes. Lembrando novamente que não há certo nem errado nessa análise, mas a missão de descobrir onde você se encaixa melhor ao longo da jornada.

Perfil moderado: um pouco a mais de risco não faz mal à ninguém

Aquelas pessoas que se encaixam nesse perfil são aquelas que olham para o perfil anterior e sentem que poderiam buscar resultados melhores, mas não se sentem à vontade para arriscar de maneira muito forte. Nesse caso, os mesmos indicados para o anterior são indicações aqui, mas com uma inserção de uma parte de renda variável.

Aqui, compondo a parte mais previsível da carteira, entram outras possibilidades no campo dos fundos de investimentos, como por exemplo o imobiliário e o multimercado. Através de estratégias mais amplas, a ideia é a de tentar trazer para quem aqui se encaixa um resultado mais atrativo.

A preocupação principal desse grupo continua sendo a previsibilidade dos resultados ponderados pelo risco.. Mas, tal qual colocamos nesse subtítulo: não há problema para quem se encaixa nesse perfil em correr um pouco mais de risco, porque o objetivo é o de ter retornos maiores.

Perfil arrojado: aceito mais riscos, demando mais retornos

Todo ser humano é avesso a riscos, tenha isso em mente. Ninguém em sã consciência literalmente rasgará ou colocará fogo em dinheiro. Mas as pessoas que estão neste perfil aqui são aquelas que ligam menos para oscilações mais fortes sobre quanto elas têm de patrimônio – e ligam menos para isso porque estão buscando retornos maiores em suas estratégias.

Aqui passam a constar meios mais diversificados ainda de investimentos, como em ativos alternativos, para além de todos os outros grupos apresentados como sendo adequados para os outros dois perfis. A diferença aqui é que, por se buscar maiores rendimentos, a preferência será sobre a renda variável no lugar da renda fixa.

Terceira etapa: onde você está na caminhada financeira?

Sabendo qual o perfil em que você se encaixa e que tipos de investimentos são mais adequados, é hora de verificar em termos práticos qual potencial você tem para tirar os planos do papel e começar a sua caminhada no mundo dos investimentos.

Nesse passo podemos falar sobre os chamados três degraus da vida financeira, que permitem que você possa fazer investimentos conforme seu perfil ao longo do tempo. Se atente a eles, pois são um meio prático de descobrir sobre como você pode tornar sua própria vida financeira mais confortável a depender de onde você está agora.

Para facilitar as contas, considere duas coisas: uma estrutura de gastos mensais de R$4.000 e a possibilidade de ser servidor público (com pouca chance de ficar desempregado ou sem receber salário), funcionário da iniciativa privada (chance de ficar desempregado mas amparado pelo FGTS) e empreendedor (renda variando muito o tempo todo, inclusive podendo ser zero em alguns períodos).

A estrutura de gastos será só para ilustrar e as categorias servem para colocar uma escala entre “rendimentos do trabalho tidos como certos” e “tudo pode mudar rapidamente”.

Primeiro degrau: reserva de emergência

Se você tiver um problema agora com seu carro e precisar acionar o seguro, consegue fazer isso de imediato? Gastos inesperados são uma realidade amarga da vida para a qual, caso não estejamos preparados, sofreremos mais do que deveríamos.

Considere ter aqui, em investimentos de liquidez imediata (que você transforma rapidamente em dinheiro em caso de necessidade), três meses de sua estrutura de gastos se for pessoa do serviço público, seis meses se for da iniciativa privada e doze meses se estiver empreendendo.

Segundo degrau: abrindo para mais oportunidades

Tendo proteção para as mudanças e intempéries da vida, agora vale pensar em investimentos ainda seguros, mas que sejam um pouco mais flexíveis quando o assunto é a liquidez e busquem mais retornos. Renda variável pode entrar aqui, mas ainda de maneira tímida.

Uma boa regra de bolso aqui é dobrar os valores do degrau inicial: acumule aqui seis meses sendo servidor público, doze meses sendo funcionário privado e 24 meses se seu caso for o empreendedorismo.

Terceiro degrau: hora de pensar no que pode variar mais sem medo

Esse degrau é aquele em que as opções que variam mais podem aparecer. Aqui, independente do perfil de investimento que você se encaixe, é a hora de ter consciência de que, com a proteção e cuidado dos dois degraus anteriores, é possível arriscar um pouco mais sem tanta preocupação assim.

O que você conseguir investir para além do que já tiver feito nos dois degraus anteriores é o que vai se encaixar nesse caso aqui.

Quarta etapa: agora sim, a plataforma!

Não sabemos como você se encaixa nas etapas anteriores e, no fim das contas, isso não vai importar muito para o próximo passo.

Apresentamos todos esses detalhes com o objetivo de te dar mais consciência sobre o processo de se investir.

Em um mundo que apresenta tantas facilidades, informação – sobre si e sobre essas oportunidades – é sempre a melhor pedida. Tendo descoberto nas primeiras três etapas sobre você, agora é hora de olhar para as plataformas de investimentos.

Como você consegue acessá-la?

Cada vez mais vemos plataformas que buscam quem utiliza os celulares para todas as atividades do dia. Agregar quem está nesse público envolve colocar facilidades de uso, mas é preciso sempre se atentar a como esse uso acontece.

Instituições financeiras mais tradicionais costumam tornar as possibilidades de transações disponíveis apenas por computadores/notebooks, enquanto que plataformas mais atuais e modernas permitem que você faça tudo com o que está na palma de suas mãos.

Saber disso aqui importa porque, em caso de problemas, você precisa saber por onde vai correr para que eles sejam resolvidos. Nem sempre a plataforma mais prática de uso será a mesma que te permitirá esclarecimentos mais rápidos em algum caso de apuro.

O que falam dessa plataforma?

Procure fóruns, discussões e relatos a respeito da experiência que quem utiliza essa plataforma tem. Procurar peças publicitárias pode ajudar a conhecer sobre como ela é visualmente e suas utilidades, mas nada melhor do que ver com quem usa sobre como as coisas funcionam de fato.

Isso pode ficar um pouco mais complicado se o investimento for por exemplo um DApp, já que o uso é um pouco mais restrito nesses casos. Mas, independente de como seja essa plataforma, busque entender mais informações com quem a utiliza.

Experimente com um dos pés na água!

Já conhecendo sobre como ela funciona e o que quem utiliza fala sobre, é hora de ir para a prática. Mas vá com cuidado: abra a conta, coloque um pouco e veja como funciona antes de, conferindo as duas dicas anteriores, decidir que aquele é o investimento da sua vida.

Ganhando confiança com sua própria experiência, assim será possível então ir aprofundando a prática através de depósitos de mais recursos e de transações mais sofisticadas.

Quando falamos de plataformas que permitem a compra e venda de criptomoedas, por exemplo, como é o caso da Bitso, a visualização pode ser intuitiva e levar em conta que você fique a par de todos os riscos do caminho. Levando em conta a existência de materiais educativos que possam te ajudar nessa missão (como é o caso deste blog aqui), fica ainda melhor essa caminhada.

Coloque em prática tudo isso agora mesmo!

Nenhuma fonte rápida de informações vai servir para te orientar por uma vida inteira. Nem é o que esse artigo aqui pretende. Mas tenha em mente desde já: a plataforma de investimentos digitais que você escolher (ou as plataformas) importa(m), mas é ainda mais relevante saber quais os caminhos que te fizeram chegar lá e o que você pode fazer de melhor com elas.

Os caminhos possíveis, seja por meios tradicionais ou na larga avenida das Finanças Descentralizadas que o universo cripto traz, são diversos e bastante democráticos. Investimentos que antes ficavam reservados a quem tinha muito dinheiro e envolviam visitas a uma instituição financeira hoje são tão rápidos que em minutos estão acessíveis a você, na palma da mão.

Levando tudo isso que trouxemos pra você aqui, sobre conhecimento de suas próprias informações e também das que envolvem as plataformas de investimentos digitais, as chances de você cair em uma furada ou oportunidade cavalo de tróia (que parecia ser excelente mas era uma bela cilada) são bem menores.

Não se esqueça jamais do poder que a boa informação tem. E continue acompanhando os artigos no Blog da Bitso, nossa missão é justamente te ajudar em sua caminhada financeira, principalmente quando o assunto são as possibilidades do universo cripto!

O Time Bitso é formado por especialistas em criptomoedas, garantindo informações seguras e precisas sobre o mundo cripto.