O que é e como funciona o mercado futuro?

Já pensou em fazer um acordo de compra e venda em uma data no futuro como forma de se proteger das variações de preços dos ativos no presente?

Pois é, essa forma de proteção, conhecida como hedge, já existe há bastante tempo e se chama mercado futuro. Mesmo sendo bem antigo e popular, principalmente entre as pessoas que negociam produtos agrícolas na bolsa de valores – as famosas commodities -, o mercado futuro ainda é considerado como um tema um pouco complicado de se entender.

Mas como mostraremos a seguir, entender o que é o mercado futuro e como ele funciona não precisa ser um bicho de sete cabeças. É claro, não há motivo para você ter medo desse tema, mas como em qualquer outro assunto, dentro de mercados futuros também existem os seus pontos que podem ser um pouquinho mais complicados de se entender.   

Entender o que é mercado futuro é muito importante, pois entre várias coisas, permite que você possa tomar decisões mais técnicas, aumentando o entendimento sobre o mercado e possibilitando a comparação com o desempenho de outras alternativas de investimentos. 

Por isso, coragem! Vamos aprender agora o que é mercado futuro.

O que é mercado futuro?

Vamos imaginar a seguinte situação: 

  • A Sra. Ronalda é uma produtora de café arábica do interior de Minas Gerais que, para não tomar prejuízo, precisa negociar a sua safra por R$1000,00 a saca;
  • Nazaré de Lima é dona de uma fábrica de café de São Paulo que se interessa por comprar sacas de café por R$1000,00, já que qualquer valor maior do que esse lhe dará prejuízo. 

Devidamente apresentadas as personagens, podemos falar que humanamente é impossível adivinhar qual será o preço exato do café no futuro – digamos que daqui a um ano – que pode variar para mais ou para menos. Nesse exemplo, a única coisa certa é que tanto Ronalda quanto Nazaré, para não tomar prejuízo, precisam negociar a saca de café por R$1000,00.

Assim, com o objetivo de garantir a saca de café pelo preço de R$1.000,00 daqui a um ano, Ronalda e Nazaré fazem um acordo por meio de um contrato futuro, que pode ser chamado de derivativo. Ronalda aceita vender a saca de café por R$1.000,00; enquanto que Nazaré concorda em fazer o pagamento nesse mesmo valor. Por consequência, daqui a um ano, elas fecham a operação no preço combinado.

Mercado futuro é o lugar em que se negociam contratos futuros. De maneira um pouco mais formal, são nesses mercados que se negociam contratos de compra e venda de ativos-objeto, com o objetivo de fazer o pagamento e a entrega física dos títulos – operação conhecida como liquidação – prevista para uma data no futuro por um preço previamente combinado entre as partes envolvidas na negociação.

Interessante te contar uma coisa: hoje em dia as criptomoedas têm ganhado tanto espaço que existe hoje até mercado futuro de Bitcoin, sabia?

Por meio desse exemplo simples (das sacas de café), mas ao mesmo tempo bastante prático e realista, você conseguiu entender o que é mercado futuro? Se ainda ficou alguma dúvida, tudo deve ficar mais claro agora, a partir da explicação mais detalhada sobre como funciona o mercado futuro.

Como funciona o mercado futuro?

O preço de um ativo negociado a futuro costuma ser igual ao seu valor à vista, somado a uma taxa de juros que é a remuneração do investidor. A remuneração do investidor é calculada considerando o tempo entre o acordo do contrato futuro e a liquidação da operação. Trata-se de um custo de carregar uma posição física até o momento do seu vencimento, algo que é conhecido como custo de carregamento.

Esses negócios são realizados só em Bolsa de Valores, com os contratos futuros sendo negociados de maneira padronizada – com prazo de vencimento, quantidade de ações, etc. Sobre isso, é interessante observar uma diferença entre contratos futuros e a termo, já que contratos a termo podem ser negociados diretamente entre os investidores, dispensando exigências de padronização. 

Contratos futuros também exigem ajustes diários nos valores das operações. Em variações nos preços do ativo-objeto do contrato, a Bolsa exige uma compensação diária de possíveis ganhos e perdas. Por exemplo, se a Sra. Ronalda adquirir um contrato futuro de ações da fábrica de café de Nazaré, a Bolsa costuma exigir do investidor um depósito de margem para manter a segurança da negociação.

Para ocorrer um negócio no mercado futuro, as pessoas envolvidas no negócio devem ter expectativas opostas. A pessoa que compra um contrato futuro espera por uma alta nos preços do ativo-objeto, enquanto que o vendedor tem a expectativa de uma redução no preço do ativo.

Tanto compradores quanto vendedores não têm (fisicamente) os ativos na hora de realizar o negócio e também não precisam “tirar o escorpião do bolso” para pagar o contrato nesse momento (o pagamento acontece quando o contrato expira).

3 características do mercado futuro

No mercado futuro é possível observar a existência de três características básicas que costumam sempre fazer parte desse tipo de operação:

  • liquidação de contrato a qualquer momento;
  • padronização;
  • pagamento e recebimento pelas variações do ativo.

A possibilidade de liquidar o contrato a qualquer momento – não só no prazo combinado – tem ligação com o oferecimento de maior liquidez (velocidade que um ativo se transforma em dinheiro) para quem está investindo. Essa característica ajuda a diferenciar mercado futuro de mercado a termo, pois no mercado a termo se exige o cumprimento da obrigação assumida de acordo com o prazo combinado.

No caso da padronização, os contratos futuros costumam ser padronizados pelas bolsas de valores. Isso acontece em termos de quantidades negociadas, unidade de negociação, data de vencimento e forma de cotação (R$ por arroba, R$ por saca, etc). Com a padronização fica mais fácil fazer a transferência de contratos entre investidores.

Sobre isso da padronização, vale também apontar que acontece para os produtos diretamente, e o motivo é simples, mas importante: não se negocia “algum café”, mas “um tipo específico de café”; se não tivesse padrão, o custo da operação aumentaria, pelo simples fato de que seria preciso conferir o produto (para ver se estava adequado) para efetivar a transação. Para evitar desconfianças e aumentar a segurança e também a liquidez, a padronização importa muito.

Em relação ao pagamento e recebimento pelas variações do ativo, essa característica permite o uso de alavancagem (falaremos sobre alavancagem no próximo tópico). É que no mercado futuro você não paga nem recebe pelo ativo, mas sim pelas variações de preço do ativo.

Vamos continuar a falar das características do mercado futuro, pois essas características estão de algum modo ligadas com vantagens e desvantagens nas negociações.

5 vantagens do mercado futuro

Já é uma prática nossa avisar que, quando o assunto são vantagens no mercado financeiro, o perfil de quem está investindo é importante. Uma coisa que talvez pode ser vantajosa para alguém nem sempre será vantajosa para você.

Mas, no geral, podemos listar cinco principais vantagens quando o assunto é mercado futuro – vantajosas para um enorme número de investidores. Essas vantagens estão ligadas com algumas das características do mercado futuro.

  • Alavancagem – possibilidade de fazer altos investimentos com pouco dinheiro, já que no mercado futuro os pagamentos são realizados pelas variações do ativo.
  • Diversificação – é possível ter oportunidades de investimentos que não dependem das ações da Bovespa, algo que abre um grande leque de opções para investimento.
  • Facilidade – a negociação no mercado futuro pode ser mais fácil do que negociar ações, e grande parte dessa facilidade vem da padronização acentuada dos contratos futuros nas bolsas de valores. 
  • Flexibilidade – possibilidade de apostar na alta ou na baixa de um ativo, dependendo apenas da sua posição, que pode ser de compra ou venda.
  • Liquidez.- o mercado futuro pode negociar R$100 bilhões em um único pregão, esse alto volume junto com a possibilidade de liquidação dos contratos facilita muito a transformação dos ativos em dinheiro.

Apresentadas as vantagens do mercado futuro, não podemos esquecer das desvantagens: é a partir da análise do seu perfil e também da comparação entre os dois lados que você vai saber com mais clareza se o mercado futuro pode ser uma ferramenta útil para você.

4 desvantagens do mercado futuro

Agora vamos falar das desvantagens do mercado futuro, que, de forma parecida com as vantagens, também depende do perfil do investidor. Assim, é possível apresentar as 4 principais desvantagens do mercado futuro. 

  • Alavancagem – já colocamos a alavancagem como uma vantagem, mas também  explicamos que vantagem é algo relativo e isso é muito verdadeiro para o caso da alavancagem, que é extremamente vantajoso na hora dos lucros e extremamente desvantajoso em momentos de prejuízos.
  • Exigência de grande movimentação financeira – a grande movimentação financeira é necessária para possibilitar os ajustes que devem ocorrer diariamente, dificultando a realização de negociações.
  • Custo mais elevado – quando comparado com o mercado a termo, os custos do mercado futuro são maiores.
  • Necessidade de depósito de garantias – o depósito de garantias pode servir como um seguro para quem está no mercado futuro, mas também pode servir como barreira, encarecendo o custo das negociações.

O entendimento de como um mercado funciona é essencial antes mesmo de ter contato, de botar as mãos na massa. É justamente por isso que sempre vamos te trazer o lado positivo e também os pontos de atenção: dessa maneira será possível tomar as decisões de maneira mais consciente!

8 principais tipos de contratos futuros

Para entender contratos futuros, temos que ter em mente alguns conceitos básicos como: objeto de negociação, cotação e unidade de negociação.

Objeto de negociação é o ativo real que está sendo negociado, podendo ser alguma commodity ou índices financeiros. A cotação é o preço de cada unidade física do ativo no momento da negociação. Sobre a unidade de negociação, trata-se apenas de um nome bonito para o tamanho do contrato (como 1 saca de 100 kg de café).

Depois de falar dos conceitos básicos, podemos apresentar os principais contratos futuros negociados. No geral, temos oito contratos futuros: dólar, minicontrato dólar, índice Ibovespa, minicontrato Ibovespa, S&P 500, boi gordo, café e milho.

Na hora de investir em um desses contratos futuros são utilizados códigos, com cada um dos ativos citados possuindo o seu próprio código:

  • Dólar – DOL
  • Minicontrato dólar – WDO
  • Ibovespa – IND
  • Minicontrato Ibovespa – WIN
  • S&P 500 – ISP
  • Boi gordo – BGI
  • Milho – CCM
  • Café – ICF

Para o dólar e o índice Ibovespa há dois tipos de contratos futuros. Além disso, podemos observar que os principais contratos futuros são commodities ou índices.

3 dicas para investir em mercados futuros

Nessa altura do artigo, você deve estar com muita vontade de “colocar a mão na massa”, negociando algum ativo no mercado futuro. Sobre isso, é muito importante seguir algumas dicas que podem aumentar a sua chance de lucros e reduzir a chance de prejuízos.

Além de explicar os principais pontos do mercado futuro – o que é, suas características, vantagens e desvantagens – temos três dicas que podem te ajudar a começar no mercado futuro.

A primeira dica é entender o seu perfil de investidor. Já comentamos sobre isso, mas relembrar essa questão é muito importante. Para começar a negociar no mercado futuro não basta só entender o mercado futuro, mas também se entender. Qual é o meu perfil de risco? Quanto estou disposto a investir? São algumas questões que precisam ser respondidas.

A segunda dica se refere a corretora: qual corretora escolher? Isso é muito importante, pois para negociar um contrato futuro é necessário ter uma conta em alguma corretora de valores. Nesse caso, a função da corretora é de fazer o “meio de campo” – a intermediação – entre as operações e o pregão da Bolsa de Valores.

Por último, mas não menos importante, temos a terceira dica, que é sobre a definição da sua estratégia no mercado futuro. Basicamente, você pode atuar como hedge, especulador ou arbitrador. Em todos os casos a ideia é ter algum benefício, mas mudam só quais são: quem faz hedge busca proteção contra perdas, especulador busca ganhos de curto prazo e o arbitrador procura conseguir retornos com diferenças entre o mercado a vista e os mercados futuros.

Vale a pena investir no mercado futuro?

Nesse exato momento, seria muito bom perguntar para você o que te chamou mais atenção sobre o mercado futuro, assim como qual é o seu perfil de investidor.

Infelizmente, ainda não podemos ter essa troca de ideias, o que permitiria dar uma resposta mais direta sobre o mercado futuro valer ou não a pena para o seu caso. Mesmo com essa impossibilidade, acreditamos que você tenha se informado melhor por meio deste artigo e terá capacidade de chegar a uma resposta.

Apesar da fama de ser algo difícil – algo superado a partir desse artigo – e de possuir algumas desvantagens (como tudo no mercado financeiro), o mercado futuro oferece facilidade, liquidez e flexibilidade, além de permitir elevados ganhos para quem está negociando. Além disso, o mercado futuro não é algo que “nasceu ontem”, possuindo uma antiga e interessante história.

Por isso, mesmo não conhecendo o seu perfil de investidor, pode-se dizer que o mercado futuro vale muito a pena, seja para usar em operações que impactem o seu dia a dia profissional, como pessoa que investe ou pelo menos para estudar e conhecer melhor.

O Time Bitso é formado por especialistas em criptomoedas, garantindo informações seguras e precisas sobre o mundo cripto.