Um astronauta aguardando o rendimento da sua renda passiva.

Renda passiva: quando o dinheiro trabalha para você

Todos os dias você acorda e corre atrás de pagar suas contas e realizar os sonhos possíveis, tudo isso na profissão que tem, no local em que trabalha e com seus próprios meios. Como recompensa dessas entregas feitas com seu esforço, vem o rendimento: essa é sua renda ativa. Como seria possível também ter retornos enquanto estiver até dormindo? Neste artigo falaremos sobre isso, que é a chamada renda passiva.

Antes mesmo de começarmos, vamos deixar as coisas bem esclarecidas: nada aqui apresentado será milagroso, nem possível da noite para o dia; o “ganhar dinheiro dormindo” não significa que vão te pagar para dormir, mas que renda passiva é quando você tem retornos mesmo enquanto não estiver trabalhando.

Outra questão importante antes de seguirmos: a disciplina que você vai precisar ter pode parecer impossível no curto prazo, mas conforme for melhorando a situação do dinheiro que trabalha para você, as coisas vão fazendo mais sentido e provavelmente o hábito criado não irá mais se desfazer. Vamos então tratar desse assunto que pode ser o alívio que você precisava para sua vida financeira futura!

Como formar uma renda passiva?

Qualquer conteúdo que você pesquisar sobre finanças pessoais, os primeiros passos serão sempre na direção de diagnosticar sua situação financeira antes de tomar alguma decisão. Verificar exatamente quanto você ganha, quais são os gastos (e desses quais seriam obrigatórios e também aqueles que podem ser repensados e até excluídos) é o que abre a possibilidade para começar a guardar dinheiro.

Vamos supor que após ter analisado suas próprias contas e despesas ainda sobre algum recurso todos os meses. Foque nesse dinheiro que sobrou: esse valor será o início da formação da sua renda passiva. Possivelmente esse primeiro montante é pequeno e desanimador, mas ele representa o primeiro passo da jornada, então não desista.

A formação de uma renda passiva leva em consideração que você vai juntar esse dinheiro em algum lugar, deixando-o separado dos recursos que você utiliza para o consumo do dia a dia. Um nome legal para esse dinheiro pode ser “responsabilidade com meu eu do futuro”.

Uma dica valiosa é seguir uma frase conhecida de Warren Buffet, que é um dos maiores investidores do mundo: “não é o que você investe depois de gastar, mas o que você gasta depois de investir”. Coloque o seu “eu do futuro” dentro do orçamento – por exemplo dando destinação àquele dinheiro que você já viu que consegue sobrar.

Fases da vida ajudam a explicar a importância da renda passiva

O filósofo Mario Sergio Cortella costuma dividir a vida em três partes: a que nós construímos (fisicamente e em termos mentais), a que estamos em alto desempenho (produzindo em diversos campos) e aquela em que estamos consumindo tudo que veio antes (quando já não conseguimos mais trabalhar muito). Quanto antes você estiver nessa escala, maior é sua responsabilidade com seu eu do futuro.

Uma das forças mais desprezadas – mesmo sendo uma das mais poderosas – é a do tempo. Quanto mais tempo imaginamos ter, quando somos jovens, mais poderíamos estar aproveitando para permitir que o futuro seja mais tranquilo. Quando o assunto são as finanças pessoais, isso fica ainda mais claro.

Sabe aquela renda que você quer ter quando parar de trabalhar no futuro? Quanto mais jovem você for hoje, menos esforço financeiro terá que fazer para compor esse montante de renda passiva. Então por que não aproveitar o tempo que você tem para começar e acelerar esse processo?

Não se preocupe se você já está naquela terceira fase, ou, como costuma ser conhecida, a melhor idade. Renda passiva continua sendo uma possibilidade para você, só demandando um pouco mais de disciplina em relação ao esforço colocado nessa trajetória.

Tempo: fator primordial quando o assunto é renda passiva!

O tempo (ou fase da vida em que você estiver) entra assim nessa equação: quanto mais tempo você crer que tenha, menor terá de ser o esforço pontual nesse tempo. Mas, por outro lado, estando em alta produtividade, pode ser que você acabe tendo resultados ainda melhores nesse caminho. Aproveitando essa possibilidade, faça isso e acelere o trajeto – seu “eu do futuro” te agradecerá imensamente.

Outro ponto importante sobre o tempo: ao longo dos anos, o dinheiro vai perdendo poder de compra (é a chamada inflação). Então os R$5 mil que você gostaria de ter enquanto trabalha hoje não são os mesmos de amanhã. Isso sem falar que, a cada ano, o custo do dinheiro (os juros) também precisa ser considerado.

Um exemplo para ficar fácil como a inflação e os juros afetam essa trajetória: imagine que seu objetivo seja ter R$3.500 por mês no futuro, que o retorno que você consegue buscar por ano é de em média 8% e a inflação fique em torno de 5%. O retorno real aqui será de 3% (retorno de 8% menos a inflação de 5%) e o montante… Segue a fórmula aqui de baixo:

Montante a juntar pela vida

=

Valor que se quer por ano no futuro / Juros reais do período

Aplicando o que acabamos de discutir nessa breve fórmula:

Montante a juntar pela vida

=

R$42.000,00 anuais (R$3.500,00 por mês) / 0,03 (3% de juros reais)

= R$1.400.000,00

Sim, as condições podem mudar ao longo do caminho. Mas considerando essa estrutura de retorno anual a buscar, de inflação média e de quanto se deseja ter mensalmente no futuro, é essa a quantidade de recursos que você precisa juntar antes de dizer “agora tenho a renda passiva que gostaria”.

Outra verdade: sim, esse montante é desafiador. Mas é por isso que valem a disciplina que comentamos anteriormente e também o pensamento de longo prazo. Quanto mais tempo você tiver, melhor poderá se preparar.

Uma última coisa que precisa ser lembrada: essa aqui é a renda que vai te ajudar a viver quando você não puder mais trabalhar ou caso você queira parar de trabalhar mesmo enquanto puder produzir, então pense que todo esse esforço feito ao longo do tempo servirá justamente para compensar ou numa época em que você não puder trabalhar ou para poder se dar ao luxo de não precisar fazer isso.

Após esse conjunto de reflexões nas quais explicamos o que é renda passiva e por qual motivo ela importa, vamos discutir então aspectos pelos quais você provavelmente abriu este artigo em primeiro lugar: os pontos específicos sobre como é possível caminhar para ter uma renda passiva.

Quais são os tipos de renda passiva?

O dinheiro que trabalha para você pode depender de algo que você compra para isso ou de alguma coisa que você sabe fazer e aproveita o tempo para lucrar com ela. Ou, de maneira resumida, são 2 os tipos possíveis:

  • Renda passiva com capital: essa é a renda que você passa a ter conforme compra algum ativo que te traz retornos futuros; aqui entram por exemplo fundos de investimentos, ações, algum imóvel que você tenha comprado e te traga recursos; esse tipo envolve comprar algo que te trará retornos futuros;
  • Renda passiva com habilidade: aqui a ideia não é a de comprar algo que te traga retornos, mas a de ter alguma coisa de diferente que te permita ganhar dinheiro com algo que você faz; dois exemplos bastante diretos são os royalties musicais e o dinheiro com anúncios que alguma plataforma de vídeos te paga quando as pessoas acessam seus conteúdos nela.

O primeiro tipo é mais fácil de entender, mas o segundo é um pouco mais complexo. Com conhecimentos que você adquiriu ao longo da vida (por exemplo naquela fase de construção que já falamos), é provável  que você consiga ter retornos mais adiante.

É possível que esse segundo tipo de renda passiva tenha sido encarado por você como uma renda ativa. “Se consigo com alguma habilidade, então é renda ativa, não?”. A diferença aqui é que estamos falando do que você ganha mesmo quando não está exercendo aquela atividade, apenas pelo fato de que outras pessoas atribuem valor àquilo.

São exemplos de renda passiva comprar títulos do Tesouro Direto, fundos de investimentos, ações ou imóveis no caso da renda passiva com capital e o uso de alguma estrutura para ensinar alguém, em suas diversas formas possíveis, quando o caso é o da renda passiva com habilidade.

Renda passiva com habilidade: o segredo é o conhecimento

Adquirir algum ativo para ter renda passiva com ele é algo mais comum, mais conhecido, que você pode ter acesso sabendo um pouco mais sobre o mercado financeiro e pesquisando sobre renda variável. Agora vamos focar aqui nos exemplos que envolvem a renda passiva que você pode ter se souber fazer algo de diferente.

Todos os exemplos que podemos apresentar têm como origem uma mesma coisa: o conhecimento. Sabe aquela habilidade que você tem, que provavelmente é fácil para você, mas que outras pessoas estão dispostas a pagar (direta ou indiretamente) para saber mais sobre? É exatamente isso!

Seja vendendo cursos na internet, em que uma mesma gravação (que te demanda atividade) pode gerar recursos por um bom tempo (a cada nova venda de curso), ou mesmo a disponibilização de algum conteúdo gratuitamente que acaba te trazendo retorno com cliques, lembre-se sempre que o conhecimento aqui é a grande chave desse tipo de renda passiva.

Ensinar alguém a fazer algo, com essa pessoa pagando diretamente por esse serviço ou de maneiras indiretas, é o grande meio de se ter uma renda passiva com base em habilidades. Venda um curso, disponibilize conteúdo na internet e ganhe com anúncios: coloque esse conhecimento na rede e você terá retornos no futuro.

Com a internet, uma pessoa que antigamente poderia apenas ensinar habilidades em sua cidade, talvez mesmo apenas em seu bairro, está conectada agora com o mundo. Se alguém lá da Índia pode te ensinar programação pelo YouTube, por qual motivo você não pode ensinar algo que sabe bem para outra pessoa em uma região bem diferente do globo?

Liberdade financeira: o trunfo final da renda passiva

Falamos aqui que renda passiva é para você que deseja fazer seu dinheiro trabalhar enquanto você não está fazendo algum esforço. Possivelmente você já ouviu falar sobre isso com o nome de liberdade financeira. São coisas bem parecidas, mas com uma diferença apenas no quanto essa renda passiva consegue suprir suas necessidades.

A renda passiva pode, seja por meio de aplicações financeiras ou daquele curso especial que você colocou para vender, te ajudar a pagar as contas do mês e ser parte das suas receitas. Mas liberdade financeira é quando esse dinheiro que trabalha por você (e não você por ele) consegue literalmente pagar todas as suas despesas.

Quando isso acontece, você muda de lado daquela situação que começamos esse artigo te apresentando: não é preciso mais necessariamente levantar todos os dias e correr atrás de meios que paguem suas contas, porque os rendimentos passivos estarão resolvendo essas questões, com ou sem seu esforço.

A partir do momento em que você alcança esse estágio, a troca não será mais entre seu tempo e o que você recebe de maneira ativa, mas entre o que você quiser de fato fazer e o tempo que se passa. Quer continuar trabalhando? Pode fazer isso. Quer largar tudo e abrir um bangalô na praia sem esquentar a cabeça se isso vai te trazer retornos ou não? Também pode.

Foco nos rendimentos, não no montante!

Importante frisar aqui que estamos falando do que os rendimentos são capazes de fazer por você, não o montante. Supondo que você tenha um custo mensal total de R$3.000 e com os R$1,4 milhão que juntou consiga ter retornos superiores a esse R$3.000,00, apenas esses rendimentos já estarão suprindo sua necessidade de recursos.

Precisamos frisar que você precisa pensar aqui nos rendimentos e não no montante porque é esse montante que permite que os rendimentos aconteçam. Então, caso você decida por reduzir esse montante, lembre-se que estará reduzindo, no fim do dia, os próprios rendimentos – e a renda passiva construída. Construiu o montante, trate de mantê-lo!

Outra conta interessante a se fazer é o quanto, em pessoas, você trabalha e o quanto o dinheiro trabalha por você. Um exemplo numérico facilita: se você trabalha e ganha R$5.000 de renda ativa e tem R$1.000 de renda passiva, isso significa que para cada uma unidade de “você trabalhando” existe 0,2 trabalhando por você.

Se isso parece desanimador, imagine o caso de você .ganhar R$5.000 de renda ativa mas ter rendimentos passivos nas proximidades de R$10.000: para cada você que trabalha, existem dois de você trabalhando enquanto você dorme. Já pensou que interessante?

Renda passiva é mudar o seu amanhã!

São diversas as possibilidades existentes de fazer seu dinheiro trabalhar por você e podemos colocar todas elas em um dos dois seguintes caminhos: comprar algum ativo ou colocar para o mundo alguma habilidade e ganhar com o interesse das pessoas sobre ela (mesmo quando não estiver fazendo ela).

Independente dos meios que você procurar, lembre-se sempre que esse é o tipo de renda que te permite ter liberdade ao longo da vida para fazer coisas que te agradam mais (e não envolvem ganhar dinheiro) ou mesmo um alívio financeiro no futuro, quando você não tiver mais a mesma capacidade de trabalho que tem hoje.

Não se esqueça jamais do compromisso existente entre o você que agora lê este artigo aqui no Blog da Bitso e quem você será no futuro: quanto antes você começar a pensar nesse amanhã, mais agradecerá a si mesmo quando esse breve futuro chegar!

Bitso Brasil
O Time Bitso é formado por especialistas em criptomoedas, garantindo informações seguras e precisas sobre o mundo cripto.