Como analisar gráficos de criptomoedas? Tudo que você precisa saber

Um gráfico de criptomoedas sendo abduzido por uma espaçonave.

Quando a gente te apresenta um ativo novo aqui, é comum te mandar para nossa página de preço de criptomoedas para você saber onde tem a cotação e um pouco sobre aquela moeda digital. Quando você olha, ali tem mais do que o preço: tem gráficos de criptomoedas em tempo real. Você já se perguntou sobre como seria possível entender mais informações que possam estar contidas ali? 

Neste artigo, vamos falar justamente sobre isso: como analisar gráficos de criptomoedas.

Essa habilidade pode ser desenvolvida. Não é uma missão tão fácil assim, mas fica mais acessível conforme você aprende. Existem duas maneiras de analisar o presente buscando prever qual seria o futuro dos preços:

  • observando os gráficos (análise técnica);
  • e os fundamentos do projeto do que você está olhando (análise fundamentalista).

Neste artigo, estamos falando da análise técnica – que é a análise de gráficos de criptomoedas, certo?

A análise técnica tem como objetivo encontrar padrões em gráficos que, de acordo com ocorrências anteriores, sinalizariam o preço caminhar para determinada direção, para cima ou para baixo. Ou seja: olhando apenas o histórico de cotações, pelo padrão ali existente, seria possível ter alguma previsão do preço no futuro.

Antes mesmo de começarmos, vale dizer que o gráfico sozinho pode te passar uma mensagem, mas não se esqueça também de olhar o projeto do criptoativo antes de tentar entender com mais profundidade essas informações trazidas pelo gráfico, combinado? As duas coisas andam lado a lado.

O que é um gráfico de criptomoedas?

Todo gráfico que contenha um histórico de cotações te conta de bate pronto por onde andou o preço daquele item que você está observando. E é olhando justamente para questões mais específicas dentro desse gráfico, em recortes menores, com detalhes maiores, que encontramos informações que podem ser mais relevantes para tomadas de decisão em relação àquele ativo.

Um gráfico de criptomoedas nada mais é do que uma representação visual da oscilação de preços de determinada moeda virtual, ou seja, o valor que você tem que pagar em alguma moeda (digital, como Bitcoin, ou fiduciária, como reais) para ter uma unidade daquele item que você está analisando. Exemplo: a variação do preço do Bitcoin em reais.

A formação desse preço no gráfico se dá com base em todas as negociações existentes de compra e venda no mercado. Na realidade, aquela cotação que você vê na tela como sendo a mais atual (assim como todas as outras anteriores do gráfico) foi formada olhando todo mundo que está comprando e vendendo aquele token dentro daquela plataforma de criptomoedas.

De maneira bastante simples, a cotação sobe quando o preço das novas negociações é superior ao que se observa no tempo presente e, inferior, quando o contrário acontece.

Supondo um token que tenha valor de US$5, ele subirá de preço quando mais pessoas estiverem interessadas em comprar do que em vender, provocando escassez. Por outro lado, se os compradores ‘sumirem’ e tivermos muitos vendedores tentando se desfazer do token, certamente o preço cairá em um período seguinte.

No fundo, todas essas informações servem para a formação de preços de todos os tipos de ativos que tenham um mercado, e é possível ver gráficos de tudo isso. Uma das grandes diferenças que verificamos quando o assunto é o mundo cripto é o fato de que esses mercados funcionam 24h por dia, sete dias por semana.

Não há, como os mercados americano, europeu, asiático, brasileiro e tantos outros, um “horário de fechamento” em que as cotações esperam o próximo dia para mudar: no mercado cripto, os preços e os gráficos mudam o tempo todo.

Em função desse “horário ininterrupto de operação”, a análise de gráficos de criptomoedas tende a exigir um pouco mais de atenção e tempo, porque literalmente quando você estiver dormindo, algo muito relevante que afete os preços pode acontecer. Assim, entender como tudo isso funciona e ter estratégias bem definidas faz ainda mais diferença no caso da análise de gráficos de criptomoedas.

Outra questão bastante importante e que não pode ser esquecida é o fato de que, quando falamos de ativos do mundo cripto, a volatilidade, ou seja, a variação da cotação, tende a ser bastante elevada.

Na bolsa de valores, vemos investidores assustados com uma queda de 3% em um dia, e animados com uma alta de 2,5% em outro. Com criptomoedas, podemos verificar subidas e descidas de porcentagens em dois dígitos em 24h. Tenha em mente que essa volatilidade alta afeta a análise.

Feitas todas essas apresentações, vamos mergulhar em alguns detalhes do processo de análise de gráficos de criptomoedas.

Tipos de gráficos de criptomoedas

Os três tipos de gráficos mais comuns que você vai encontrar quando estiver analisando criptomoedas são os seguintes:

Gráfico de velas (candlestick)

Mostra, em uma única visualização, quais foram os preços de abertura, de fechamento, preço máximo, preço mínimo, e se subiu ou desceu aquela cotação em um determinado período de tempo. Todas essas informações em uma apresentação resumida permitem verificar tendências de maneira mais concentrada (vamos explicar mais separadamente);

Explicação sobre os tipos de velas nos gráficos de criptomoedas

Gráfico de linha

Apresenta as cotações de fechamento em uma linha que pode ser por períodos diferentes. Pode ser de duas maneiras: linear, em que os preços são divididos com pesos nominais ao redor do tempo permitindo ver a velocidade de mudança no preço, e o logarítmico, que trata das variações em termos percentuais e mostra tendências nessa variação;

Gráfico de profundidade de mercado

Diferentemente dos dois anteriores, que são focados em mostrar o histórico da cotação, neste caso, o objetivo é ver como o preço atual se forma; de um lado, está o montante recente de ordens de compra, de outro, o de ordens de venda, e o ponto de encontro dos dois é justamente o preço atual.

Dentre esses três tipos de gráficos, o que mais se destaca e mais costuma ser apresentado para análises de criptomoedas é o candlestick ou gráfico de velas. Sendo assim, a seguir, vamos entender esse um pouco melhor.

O que são as velas dos gráficos de Candlestick?

Candlestick, em inglês, quer dizer vela. E o gráfico tem esse nome porque os retângulos verdes e vermelhos se assemelham a velas, ainda mais com os risquinhos em suas extremidades lembrando pavios. Mas, afinal, o que são essas velas ou candles?

A vela é formada pelo corpo, aquela parte comprida do retângulo vertical, e duas linhas (os “pavios) – uma em cima e outra embaixo.  O corpo mostra, em cada uma das extremidades, o preço de abertura e o preço de fechamento do mercado do ativo sobre o qual é o gráfico de criptomoedas – tipo, o preço de abertura de mercado e de fechamento de mercado do Bitcoin.

Agora, o preço de abertura vai na parte de cima ou na de baixo? Depende. Se for uma vela ou candle verde, que mostra que o preço subiu, a abertura está embaixo. Se for uma vela vermelha, que é quando o mercado tem queda, a parte de baixo é o fechamento, acompanhando a descida do preço, certo?

Mas e os pavios? Bom, a gente tem um preço de fechamento e um de abertura, mas, por vezes, dentro desse intervalo, temos preços que estão para cima ou para baixo, né? Os máximos e mínimos que saem do intervalo entre abertura e fechamento. É isso que vemos nos pavios: o de cima mostra o preço máximo do ativo naquele período da vela, o de baixo mostra o mínimo.

Num exemplo para esclarecer: suponha que você quer analisar a criptomoeda X abriu o período custando R$11 e fechou o período custando R$14. Como terminou o dia mais cara, vai ser uma vela verde, certo? Então, R$11 estará na parte de baixo, e R$14, na parte de cima do corpo da vela.

Só que, ao meio-dia, essa cripto chegou a custar o mínimo do período, R$10 e, no meio da tarde, passou para o máximo, R$16. Assim, R$10 e R$16 estão fora do intervalo entre R$11 e R$14, por isso, eles ficam nos pavios, para fora da vela ou candle. Ficou mais claro?

Aqui, temos um exemplo ilustrado de uma vela ou candle que você vê repetidamente o gráfico:

Candlestick ou vela do gráfico de criptomoedas

Por conta de trazer tantas informações, os gráficos de vela ou candlestick são ótimos para analisar o mercado de criptomoedas e o comportamento de um ativo, porque ele costuma montar um padrão.

7 Dicas para ler gráficos sobre criptomoedas

  1. Dentre os conselhos mais importantes para analisar gráficos de cripto, o primeiro e mais importante deles certamente é o de estudar bastante as funções e sempre ter em mente seus objetivos.
  1. O segundo grande conselho é entender que resultados podem demorar um pouco mais de tempo para acontecerem, então, paciência é fundamental, além do estudo constante e do acompanhamento do mercado
  1. A terceira grande dica pode parecer bastante óbvia, mas também essencial: “só marca gol quem chuta”. De nada adianta você passar um tempão estudando sem nunca colocar os conhecimentos em prática. Sentir a realidade é um meio importante de entender como as coisas funcionam na prática.
  1. Aliás, uma coisinha que falamos sempre: antes mesmo de começar a análise de gráficos de criptomoedas, saiba mais sobre o projeto cripto que dá base ao que você está observando, pois a união entre essas duas partes é o que de fato vai te entregar informações relevantes.
  1. Outro ponto de atenção é uma questão clássica das finanças: o caminho passado e seus resultados não indicam necessariamente qual será o caminho futuro. Isso significa que há muita coisa que é imprevisível, por mais análise que se faça, especialmente em mercados de risco e voláteis como  de cripto.
  1. Tudo que acontece pode afetar! A proibição de uma criptomoeda num país, de mineração em outro, um novo uso revolucionário para um blockchain, uma fraude com a empresa que toca um projeto, um tweet elogiando algum projeto de certos famosos no ramo de tecnologia… São inúmeras as possibilidades de eventos externos que podem mudar a cotação sem ter relação direta com o próprio gráfico observado.
  1. Em último lugar, mais importante que saber todas as possibilidades em termos de análise de gráficos de criptomoedas é entender qual seu perfil de risco para suportar todos os possíveis caminhos que aquela cotação passará – o que reforça que é muito importante entender o projeto que dá base para aquele criptoativo antes de querer analisar seu gráfico.

Um mercado que nunca dorme pede uma atuação cuidadosa e estudar é sempre a saída mais inteligente. Diríamos que, por você ter chegado até aqui e acompanhar o blog da Bitso, já está um passo adiante!