Protocolo Loopring e o token LRC: unindo o melhor de dois mundos

Algo inevitável com que nos deparamos na vida é ter de fazer escolhas e, toda vez que fazemos isso, acabamos renunciando não apenas ao lado ruim, mas ao lado bom do que não foi escolhido. Mas e se fosse possível testar soluções híbridas? É nessa direção que vai o Protocolo Loopring, que tem a criptomoeda LRC e é o assunto deste artigo.

Dentro do enorme campo de possibilidades das Finanças Descentralizadas verificamos basicamente dois grandes caminhos: os que levam em consideração ter algum nível de centralização e intermediação e, por outro lado, projetos que tratam de permitir trocas mais diretas e não intermediadas. Esse segundo tipo é conhecido como exchange descentralizada (ou DEX).

Toda DEX funciona com base em um aspecto muito importante: a automação das relações e a existência de um pool de liquidez. Nesse tipo de exchange, qualquer pessoa que se aproximar irá lidar diretamente com essa liquidez e não com uma outra parte, seja para por exemplo pegar algum empréstimo ou mesmo obter algum rendimento depositando suas criptos ali.

Essa ideia é interessante porque permite que essas relações aconteçam de maneira mais rápida e com taxas menores, já que não é preciso ter intermediação e nem outra parte ali esperando para ser a outra ponta da operação. Mas acaba se limitando pelo fato de que o campo de possibilidades de quem lida com DEX é apenas aquela liquidez.

É exatamente nesse ponto que o Protocolo Loopring entra para mudar as coisas: o foco está em oferecer soluções híbridas, que envolvam tanto os benefícios de uma DEX quanto os encontrados em uma exchange de criptomoedas comum.

História do Protocolo Loopring

Esse projeto é desenvolvido por uma fundação, a Fundação Loopring, que funciona com sede em Xangai, na China teve o início de suas atividades em 2017 e tem como fundador e CEO o engenheiro de software e empresário Daniel Wang. Bacharel em ciência da computação pela Universidade da Ciência e Tecnologia da China, Wang também tem mestrado pela Arizona State University nessa mesma área.

O histórico profissional de Wang leva em consideração diversas posições em empresas de tecnologia: trabalhou na Boston Scientific (fabricante de dispositivos médicos) como engenheiro de software líder, esteve em áreas de engenharia, pesquisa e posicionamento de anúncios da JD.com (empresa chinesa de e-commerce) e também foi líder de tecnologia e engenheiro de software sênior do Google.

Outro aspecto a ser comentado é que, também antes de participar da criação da Fundação Loopring, participou da co-fundação de outras empresas, como por exemplo a Yunrang Information Technology (de Pequim) e a Coinport Technology Ltd, de serviços para criptomoedas.

Os tokens vieram primeiro: tivemos a disponibilização das primeiras unidades de LRC em agosto de 2017. A implantação do Protocolo Loopring, em si, na rede Ethereum, veio a acontecer pouco mais de dois anos depois, em dezembro de 2019.

A ideia do Protocolo Loopring é unir soluções de maneira híbrida, buscando obter os benefícios de quem deixa seus recursos em uma exchange comum com as praticidades existentes em uma DEX.

Diversas atualizações já foram realizadas desde o surgimento do protocolo original (2017), das quais valem ser destacadas as seguintes:

  • Em 2018, pessoas que tinham mais de 100 unidades de LRC participaram de lançamentos dos tokens LRN (usado na rede Neo) e LRQ (presente na rede Quantum); esses projetos depois acabaram sendo descontinuados;
  • Ao final de 2019 ocorreu o lançamento do Loopring 3.0, que foi a primeira vez em que apareceu a figura do zkRollup (que será explicado mais adiante neste texto);
  • Em dezembro de 2020 surgiu a versão Loopring Exchange v2 e foi lançada a Loopring Wallet;
  • No último trimestre de 2021 a grande novidade foi o oferecimento no protocolo Loopring de suporte a criação e diversos tipos de negociações com NFTs, além da implantação da Loopring Smart Wallet nas redes Ethereum e Arbitrum.

Como você pode observar, trata-se de um projeto que passa por atualizações periódicas e que realmente trazem novidades que fazem a diferença entre uma versão e outra, sempre com o objetivo central em mente de buscar os melhores benefícios dos dois tipos de exchanges existentes, as regulares e as descentralizadas.

Como funcionam o Protocolo Loopring e a criptomoeda LRC?

O Protocolo Loopring funciona com base na rede Ethereum e, portanto, o token LRC também está nessa mesma rede – ou seja: os tokens que circulam por essa plataforma são todos do tipo ERC-20. Trata-se de um protocolo aberto que tem como objetivo a construção de meios que possibilitem a troca descentralizada de criptomoedas e faz isso por meio de um algoritmo Proof of Work (PoW).

A criptomoeda LRC é gerada a partir do momento em que, em contato com essa plataforma, as pessoas depositam suas criptomoedas e acabam sendo remuneradas justamente por meio do token LRC. Esse tipo de remuneração é comum em exchanges descentralizadas: a “mineração de liquidez” que dá origem a uma criptomoeda específica.

Mas o diferencial deste protocolo é o fato de que ele funciona não apenas com base em contratos inteligentes, mas sim o faz com base nos chamados zkRollups, que fornecem maior fluidez e escalabilidade para as transações realizadas nessa plataforma.

Funciona, em termos práticos, da seguinte maneira: o Loopring é uma rede off-chain da Ethereum que utiliza os zkRollups para realizar as transações externamente, mas com conexão o suficiente com a rede Ethereum para que a validação das transações seja feita por ela. Com isso, tem-se a rapidez e a redução de custos de uma DEX com a segurança de operação de uma rede comum.

Para se ter uma ideia do tamanho dessa rapidez, estima-se que uma transação realizada através do Loopring seja de cem a duzentas vezes mais ágil do que aquelas realizadas no on-chain Ethereum, o que significa que esse protocolo tem a capacidade de realizar mais de 2.000 transações por segundo.

Mas, espera aí: o que são esses zkRollups?

O grande segredo que permite que o Protocolo Loopring faça essa verdadeira interligação com o melhor dos dois mundos entre exchanges regulares e as DEXs está justamente nessa tecnologia.

O Rollup Zero-knowledge (nome completo dessa tecnologia) é um contrato inteligente que faz a ponte entre as transações realizadas fora da rede e o sistema de confirmações e validações da rede Ethereum. Ele funciona atualizando todas as transações realizadas fora da cadeia e, através de pacotes que são enviados para a rede, busca essas confirmações.

Esses pacotes “trocados” entre os zkRollups podem passar por mudanças que simplifiquem o tamanho de cada um para que as transações sejam otimizadas e fiquem ainda mais rápidas do que o normal, por exemplo reduzindo o número de informações necessárias a serem confirmadas. Um dos meios envolve registrar apenas índices e não os endereços completos.

Graças a essa novidade tecnológica que o fator híbrido de fato ocorre, porque as transações ocorrem de maneira mais rápida (off-chain) e são verificadas no instante em que as provas são enviadas para a rede principal, enquanto seguem existindo os fatores de segurança  – já que as transações ficam registradas na rede principal -, assim como a descentralização por meio da DEX.

Então sim, existem outros projetos e protocolos que funcionam como exchanges descentralizadas, mas o ponto que acaba diferenciando o protocolo Loopring é o fato de que ele busca constantemente alcançar a interligação entre o que você consegue encontrar em uma exchange descentralizada e o que encontra com mais facilidade em uma exchange comum.

Vantagens e desvantagens do Protocolo Loopring

Apesar de termos mencionado que esse projeto leva em consideração otimizar transações olhando apenas os aspectos positivos de duas estruturas que já existem, nem tudo são flores para o Protocolo Loopring. Antes de tomar a decisão de ter ou não em sua carteira, vale sempre observar quais são também os pontos de preocupação.

Vamos começar com as vantagens. Basicamente elas estão todas interligadas e isso acontece justamente pela característica híbrida do projeto: ter o melhor de dois mundos, sendo de um lado a segurança da Ethereum e de outro a rapidez de transações de uma DEX e, melhor ainda, sem taxas envolvidas, acaba sendo um combo bastante atraente a quem pensa em utilizar a plataforma.

Agora, sobre os pontos de atenção:

  • Uso de Proof of Work (PoW) e não Proof of Stake (PoS): essa segunda forma de validar as transações utiliza menor capacidade computacional e de energia e, apesar da plataforma funcionar de forma fluída, pode vir algum dia a ser substituída por outra que faça a mesma coisa mas precise de equipamentos menos potentes para funcionar;
  • A existência de duas redes pode ser um complicador: apesar de executar as transações com maior rapidez, por utilizar duas redes “em paralelo” (o on-chain Ethereum e o off-chain Loopring), os riscos acabam, no mínimo, sendo “somados” (uma instabilidade em qualquer uma das duas pode travar todos os processos;
  • Segurança do protocolo que transmite as informações entre as duas redes é um código fechado e que tem operação realizada pelos criadores do projeto; qualquer falha neste ponto pode significar, no limite, até mesmo a perda de recursos “empenhados” em uma transação.

É sempre válido se atentar com os pontos negativos de qualquer projeto de criptomoeda porque, no fim das contas, é justamente em alguma dessas vulnerabilidades que algum grande problema ocorrer e prejudicar tanto a utilização da plataforma quanto a cotação da criptomoeda associada a ela, o LRC.

Como comprar LRC na Bitso?

Se você leu este artigo e pensou “uma criptomoeda com a segurança do Ethereum e a rapidez de uma DEX? Quero ter na minha carteira!”, essa é a sua hora de receber uma boa notícia: você pode comprar unidades de LRC aqui na Bitso e fazer parte do acompanhamento disso tudo. E como fazer isso? Com simples passos:

  1. Abra sua conta na Bitso;
  1. Com a conta aberta, envie seus recursos fiduciários (reais) para a conta na Bitso;
  1. Assim que o dinheiro estiver disponível na conta da Bitso, vá até a área de criptomoedas e procure por Loopring (LRC);
  1. Coloque a quantidade de reais que deseja transformar em LRC e faça a conversão!

Concluída esse rápido passo a passo, você passará a ter em sua carteira uma criptomoeda que representa uma grande inovação quando o assunto são as corretoras descentralizadas!

Ah, e não se esqueça: conte conosco aqui no Blog da Bitso para acompanhar diversos outros aspectos, projetos e assuntos do universo cripto!

O Time Bitso é formado por especialistas em criptomoedas, garantindo informações seguras e precisas sobre o mundo cripto.