Mãos trocando um tpken de AAVE

O que é Aave? Conheça esta criptomoeda e seus diferenciais

Blockchain, criptografia, P2P, exchange, DeFi. São muitos os termos e novidades quando o assunto é o universo cripto. Tem até empréstimo cripto, já viu? Vamos falar sobre isso e te explicar o que é Aave.

Vamos aproveitar para ver essa história de empréstimos com o protocolo Aave, que é mais uma dessas tantas possibilidades trazidas por todo esse conjunto recente de inovações tecnológicas dentro do campo das Finanças Descentralizadas. Vamos juntos!

O que é a criptomoeda Aave?

Possivelmente, a atividade mais antiga (e talvez a mais rentável) do universo bancário é vender dinheiro, que seria um nome bastante direto para conceder empréstimos. E por que “vender dinheiro”? Basicamente porque quem tem liquidez – ou seja, dinheiro na mão – disponibiliza a “verba” para quem está precisando. Em geral, isso é intermediado por uma instituição financeira.

Isso, você já sabe. A grande novidade que vem com as Finanças Descentralizadas é poder fazer esse tipo de negociação sem necessariamente a figura de um intermediário, e sim com relação direta e automatizada. Aave é uma plataforma que permite justamente isso, só que dentro do universo das criptomoedas e da potência do blockchain.

Utilizando Aave, um protocolo de DeFi que funciona dentro da rede Ethereum, permite que você forneça recursos para empréstimos ou mesmo pegue empréstimos sem precisar de uma instituição que intermedie, mas diretamente e de maneira automatizada, em contato com os pools de liquidez, diretamente em criptoativos.

Pools de liquidez são, em termos diretos, os recursos que são disponibilizados por quem utiliza a rede. Voltando ao universo dos bancos, é aquele dinheiro que você deixa com o banco para que ele empreste a outras pessoas, enquanto te paga uma remuneração sobre aquele capital para que você o deixe ali (justamente para que a instituição possa seguir “vendendo dinheiro”). 

Mas, de novo: sem a figura dessa instituição financeira.

Como funciona a Aave?

O funcionamento de Aave se dá com base na tecnologia de smart contracts dentro da rede Ethereum. A automatização que comentamos se dá pelo fato de as transações acontecerem por meio dos contratos inteligentes (que são auto-executáveis, lembram?), e a segurança vem do fato de que tudo ocorre dentro da rede Ethereum – portanto, do blockchain. 

Por ser um protocolo de empréstimos, temos duas partes: a que empresta e a que pega emprestado. Quem tem criptoativos “parados” (são mais de 30 moedas digitais possíveis) e quiser fazer com que rendam pode disponibilizá-los na plataforma e receber remuneração em aTokens e em Aave tokens. Já quem quer pegar empréstimo deve colocar como garantia também criptoativos e pagar com eles depois.

Uma grande inovação que surgiu daí é a possibilidade de realizar empréstimos de curtíssimo prazo (em alguns casos, até de poucos segundos de duração). Nesses chamados flash loans, você pega emprestado e paga dentro da mesma transação. Geralmente esse tipo de coisa facilita, por exemplo,  uma operação de arbitragem de um mesmo criptoativo em diferentes lugares.

Explicando mais diretamente, com um exemplo numérico. Imagine que você tem o ExemploCoin, um ativo que em uma parte do mundo está com cotação de US$5,50 e em outra parte do mundo US$5,55. Arbitragem, de maneira simples, seria você comprar onde está mais barato e vender onde está mais caro este mesmo ativo. Graças aos flash loans, é possível fazer isso com extrema rapidez.

Assim sendo, em resumo: o funcionamento da plataforma Aave permite que pessoas que têm criptoativos sobrando coloquem essa liquidez em pools que permitem que outros, precisando de empréstimos, consigam pegar; tudo isso de maneira descentralizada e com o contato sendo entre a pessoa e esse pool de liquidez.

Aave, Aave token e aToken: saiba a diferença!

Mesmo com os nomes próximos e o universo sendo o mesmo, é preciso saber a diferença entre esses três itens.

Aave é a plataforma dentro das Finanças Descentralizadas que serve para permitir empréstimos em critptoativos. Aave token e aToken são os dois tokens existentes dentro dessa plataforma, sendo que Aave token serve para governança e aToken para pagamento dos juros das transações.

Governança nesse caso significa que quem tem Aave token consegue participar da tomada de decisões sobre os rumos da plataforma Aave, com direito a voto. Numa comparação com o mundo das ações, é como o caso das ações ordinárias, que são aquelas que dão direito a voto em decisões da empresa.

Já o aToken serve literalmente para efetivar o pagamento de juros das transações: eles aparecem quando os juros são pagos e desaparecem quando a outra parte resgata. Sua função é a de facilitar os empréstimos via blockchain.

Como surgiu a Aave?

Tudo começou em 2017, quando Stani Kulechov, da Universidade de Helsinki, colocou no ar o protocolo ETHLend. Como o nome inicial indica, desde o começo, a ideia era ser uma plataforma de empréstimos (lend em inglês é empréstimo) dentro da rede Ethereum (ETH). Nesse começo, o foco eram empréstimos P2P e, em seu ICO, levantou pouco mais de US$16 milhões.

Após passar por uma mudança de marca em 2018, o projeto ETHLend passou a ser subsidiário da Aave e ampliou seu propósito para o que conhecemos atualmente. Em janeiro de 2020, rolou o lançamento oficial da plataforma, permitindo que as pessoas pudessem usar todo seu potencial.

Outro item que envolve valores e precisa de atenção é o tamanho da liquidez disponível. Afinal de contas, como falamos lá no começo desse artigo, esse é um indicativo da confiabilidade da plataforma. De acordo com dados apresentados pela própria plataforma, hoje essa liquidez fica na faixa entre US$20~25 bilhões. Uma quantia no mínimo respeitável!

Aave ou Bitcoin

Por mais que as inovações do universo cripto sejam diversas, sempre é válido relembrar as proximidades e diferenças com aquela moeda digital que mudou todo o sistema assim que apareceu: o Bitcoin. Vamos ver as diferenças entre Aave e Bitcoin:

  • Propósito: para o Bitcoin, a ideia está em ser uma moeda digital e permitir a aquisição de bens e serviços com ela, Aave já tem como objetivo ser uma plataforma onde empréstimos acontecem;
  • Cotação: o Bitcoin apresenta números na casa das dezenas de milhares de dólares, o token Aave nunca chegou a superar a entrar na casa das milhares, tendo ficado apenas entre dezenas e centenas de dólares até o fim de 2021;
  • Itens envolvidos: Bitcoin se verifica apenas em quantidade e em valor em relação a moedas fiduciárias, já no caso da plataforma Aave, você tem dois tipos de itens – o token Aave (com cotação própria) e o aToken, que apresenta paridade de 1:1 com a moeda utilizada como garantia no empréstimo;
  • Rede envolvida: Bitcoin tem seu próprio blockchain, enquanto Aave funciona dentro da rede Ethereum.

Vantagens e desvantagens da Aave

Pelo lado das vantagens, temos basicamente quatro: 

  1.  a possibilidade de pegar empréstimos sem a utilização de garantia em bens (apenas em criptoativos); 
  2. a não necessidade de uma figura intermediadora na transação (tendo em vista que ela ocorre diretamente com os pools de liquidez e de maneira automática);
  3. a rapidez com qual as transações ocorrem e, 
  4. por meio dos flash loans, a oportunidade de arbitrar globalmente dentro do mercado de trocas internacionais.

Pelo lado das desvantagens, que também podemos chamar de dificuldades: 

  1. a necessidade de utilizar carteiras para que os empréstimos sejam de fato efetivados (porque tanto para conceder recursos quanto para pegar, esse contato se dá da carteira com o pool de liquidez);
  2. a volatilidade dos ativos (que podem até fazer com que a operação se feche sem que você receba de volta, caso o criptoativo perca muito valor) e;
  3. o acesso ainda reduzido (mesmo em se tratando da maior plataforma do tipo) em relação a todo o tamanho do universo cripto.

O que é um CFD de Aave?

Mesmo com um conjunto de peculiaridades, existem algumas possibilidades do mundo cripto que parecem muito com o que já acontece no mundo financeiro tradicional. Uma dessas é o CFD.

CFD é Contrato Por Diferença, um instrumento financeiro das criptos que permite que, sem que você efetivamente tenha um ativo, possa especular sobre os rumos de seu preço. Na prática, derivativo é o nome dado a instrumentos financeiros que permitem que você especule sobre os preços sem ter os próprios. Assim, CFD seria um derivativo das criptos.

Quando falamos de um CFD de Aave, é possível que você especule, por meio desses contratos de derivativos, em relação a cotações de Aave token. Ou seja, você pode especular sobre alta e baixa em um determinado período de tempo.

Assim como no sistema financeiro tradicional, derivativos apresentam um alto risco porque envolvem inclusive alavancagem financeira, o que permite que, mesmo sem ter um ativo, você possa entrar nesse tipo de contrato como se tivesse muito mais dele. Por exemplo: imaginando uma alavancagem de 100:1, entrando com R$1.000,00, você pode “apostar” em relação a R$100.000,00.

Por conta dos riscos envolvidos, é sempre importante relembrar que esta operação é para quem apresenta um perfil de investidor bastante arrojado e não para quem não quer riscos.

Como comprar a criptomoeda Aave na Bitso

Você pode comprar o token Aave na Bitso! Veja como:

  1. Deposite na sua conta na Bitso fazendo transferência via TED ou PIX;
  2. Abra o app e clique na aba ‘Cripto’;
  3. Escolha AAVE e a quantia em reais que quer usar para comprar;
  4. Faça a conversão e pronto! 

Com isso, você já passa a contar com token Aave em sua carteira, e pode até transferir para a plataforma de empréstimos ou só manter guardadinho por aqui. Boa, né?

Blockchain, criptografia, P2P, exchange, DeFi. São muitos os termos e novidades quando o assunto é o universo cripto. Tem até empréstimo cripto, já viu? Vamos falar sobre isso e te explicar o que é Aave.

Vamos aproveitar para ver essa história de empréstimos com o protocolo Aave, que é mais uma dessas tantas possibilidades trazidas por todo esse conjunto recente de inovações tecnológicas dentro do campo das Finanças Descentralizadas. Vamos juntos!

O que é a criptomoeda Aave?

Possivelmente, a atividade mais antiga (e talvez a mais rentável) do universo bancário é vender dinheiro, que seria um nome bastante direto para conceder empréstimos. E por que “vender dinheiro”? Basicamente porque quem tem liquidez – ou seja, dinheiro na mão – disponibiliza a “verba” para quem está precisando. Em geral, isso é intermediado por uma instituição financeira.

Isso, você já sabe. A grande novidade que vem com as Finanças Descentralizadas é poder fazer esse tipo de negociação sem necessariamente a figura de um intermediário, e sim com relação direta e automatizada. Aave é uma plataforma que permite justamente isso, só que dentro do universo das criptomoedas e da potência do blockchain.

Utilizando Aave, um protocolo de DeFi que funciona dentro da rede Ethereum, permite que você forneça recursos para empréstimos ou mesmo pegue empréstimos sem precisar de uma instituição que intermedie, mas diretamente e de maneira automatizada, em contato com os pools de liquidez, diretamente em criptoativos.

Pools de liquidez são, em termos diretos, os recursos que são disponibilizados por quem utiliza a rede. Voltando ao universo dos bancos, é aquele dinheiro que você deixa com o banco para que ele empreste a outras pessoas, enquanto te paga uma remuneração sobre aquele capital para que você o deixe ali (justamente para que a instituição possa seguir “vendendo dinheiro”). 

Mas, de novo: sem a figura dessa instituição financeira.

Como funciona a Aave?

O funcionamento de Aave se dá com base na tecnologia de smart contracts dentro da rede Ethereum. A automatização que comentamos se dá pelo fato de as transações acontecerem por meio dos contratos inteligentes (que são auto-executáveis, lembram?), e a segurança vem do fato de que tudo ocorre dentro da rede Ethereum – portanto, do blockchain. 

Por ser um protocolo de empréstimos, temos duas partes: a que empresta e a que pega emprestado. Quem tem criptoativos “parados” (são mais de 30 moedas digitais possíveis) e quiser fazer com que rendam pode disponibilizá-los na plataforma e receber remuneração em aTokens e em Aave tokens. Já quem quer pegar empréstimo deve colocar como garantia também criptoativos e pagar com eles depois.

Uma grande inovação que surgiu daí é a possibilidade de realizar empréstimos de curtíssimo prazo (em alguns casos, até de poucos segundos de duração). Nesses chamados flash loans, você pega emprestado e paga dentro da mesma transação. Geralmente esse tipo de coisa facilita, por exemplo,  uma operação de arbitragem de um mesmo criptoativo em diferentes lugares.

Explicando mais diretamente, com um exemplo numérico. Imagine que você tem o ExemploCoin, um ativo que em uma parte do mundo está com cotação de US$5,50 e em outra parte do mundo US$5,55. Arbitragem, de maneira simples, seria você comprar onde está mais barato e vender onde está mais caro este mesmo ativo. Graças aos flash loans, é possível fazer isso com extrema rapidez.

Assim sendo, em resumo: o funcionamento da plataforma Aave permite que pessoas que têm criptoativos sobrando coloquem essa liquidez em pools que permitem que outros, precisando de empréstimos, consigam pegar; tudo isso de maneira descentralizada e com o contato sendo entre a pessoa e esse pool de liquidez.

Aave, Aave token e aToken: saiba a diferença!

Mesmo com os nomes próximos e o universo sendo o mesmo, é preciso saber a diferença entre esses três itens.

Aave é a plataforma dentro das Finanças Descentralizadas que serve para permitir empréstimos em critptoativos. Aave token e aToken são os dois tokens existentes dentro dessa plataforma, sendo que Aave token serve para governança e aToken para pagamento dos juros das transações.

Governança nesse caso significa que quem tem Aave token consegue participar da tomada de decisões sobre os rumos da plataforma Aave, com direito a voto. Numa comparação com o mundo das ações, é como o caso das ações ordinárias, que são aquelas que dão direito a voto em decisões da empresa.

Já o aToken serve literalmente para efetivar o pagamento de juros das transações: eles aparecem quando os juros são pagos e desaparecem quando a outra parte resgata. Sua função é a de facilitar os empréstimos via blockchain.

Como surgiu a Aave?

Tudo começou em 2017, quando Stani Kulechov, da Universidade de Helsinki, colocou no ar o protocolo ETHLend. Como o nome inicial indica, desde o começo, a ideia era ser uma plataforma de empréstimos (lend em inglês é empréstimo) dentro da rede Ethereum (ETH). Nesse começo, o foco eram empréstimos P2P e, em seu ICO, levantou pouco mais de US$16 milhões.

Após passar por uma mudança de marca em 2018, o projeto ETHLend passou a ser subsidiário da Aave e ampliou seu propósito para o que conhecemos atualmente. Em janeiro de 2020, rolou o lançamento oficial da plataforma, permitindo que as pessoas pudessem usar todo seu potencial.

Outro item que envolve valores e precisa de atenção é o tamanho da liquidez disponível. Afinal de contas, como falamos lá no começo desse artigo, esse é um indicativo da confiabilidade da plataforma. De acordo com dados apresentados pela própria plataforma, hoje essa liquidez fica na faixa entre US$20~25 bilhões. Uma quantia no mínimo respeitável!

Aave ou Bitcoin

Por mais que as inovações do universo cripto sejam diversas, sempre é válido relembrar as proximidades e diferenças com aquela moeda digital que mudou todo o sistema assim que apareceu: o Bitcoin. Vamos ver as diferenças entre Aave e Bitcoin:

  • Propósito: para o Bitcoin, a ideia está em ser uma moeda digital e permitir a aquisição de bens e serviços com ela, Aave já tem como objetivo ser uma plataforma onde empréstimos acontecem;
  • Cotação: o Bitcoin apresenta números na casa das dezenas de milhares de dólares, o token Aave nunca chegou a superar a entrar na casa das milhares, tendo ficado apenas entre dezenas e centenas de dólares até o fim de 2021;
  • Itens envolvidos: Bitcoin se verifica apenas em quantidade e em valor em relação a moedas fiduciárias, já no caso da plataforma Aave, você tem dois tipos de itens – o token Aave (com cotação própria) e o aToken, que apresenta paridade de 1:1 com a moeda utilizada como garantia no empréstimo;
  • Rede envolvida: Bitcoin tem seu próprio blockchain, enquanto Aave funciona dentro da rede Ethereum.

Vantagens e desvantagens da Aave

Pelo lado das vantagens, temos basicamente quatro: 

  1.  a possibilidade de pegar empréstimos sem a utilização de garantia em bens (apenas em criptoativos); 
  2. a não necessidade de uma figura intermediadora na transação (tendo em vista que ela ocorre diretamente com os pools de liquidez e de maneira automática);
  3. a rapidez com qual as transações ocorrem e, 
  4. por meio dos flash loans, a oportunidade de arbitrar globalmente dentro do mercado de trocas internacionais.

Pelo lado das desvantagens, que também podemos chamar de dificuldades: 

  1. a necessidade de utilizar carteiras para que os empréstimos sejam de fato efetivados (porque tanto para conceder recursos quanto para pegar, esse contato se dá da carteira com o pool de liquidez);
  2. a volatilidade dos ativos (que podem até fazer com que a operação se feche sem que você receba de volta, caso o criptoativo perca muito valor) e;
  3. o acesso ainda reduzido (mesmo em se tratando da maior plataforma do tipo) em relação a todo o tamanho do universo cripto.

O que é um CFD de Aave?

Mesmo com um conjunto de peculiaridades, existem algumas possibilidades do mundo cripto que parecem muito com o que já acontece no mundo financeiro tradicional. Uma dessas é o CFD.

CFD é Contrato Por Diferença, um instrumento financeiro das criptos que permite que, sem que você efetivamente tenha um ativo, possa especular sobre os rumos de seu preço. Na prática, derivativo é o nome dado a instrumentos financeiros que permitem que você especule sobre os preços sem ter os próprios. Assim, CFD seria um derivativo das criptos.

Quando falamos de um CFD de Aave, é possível que você especule, por meio desses contratos de derivativos, em relação a cotações de Aave token. Ou seja, você pode especular sobre alta e baixa em um determinado período de tempo.

Assim como no sistema financeiro tradicional, derivativos apresentam um alto risco porque envolvem inclusive alavancagem financeira, o que permite que, mesmo sem ter um ativo, você possa entrar nesse tipo de contrato como se tivesse muito mais dele. Por exemplo: imaginando uma alavancagem de 100:1, entrando com R$1.000,00, você pode “apostar” em relação a R$100.000,00.

Por conta dos riscos envolvidos, é sempre importante relembrar que esta operação é para quem apresenta um perfil de investidor bastante arrojado e não para quem não quer riscos.

Como comprar a criptomoeda Aave na Bitso

Você pode comprar o token Aave na Bitso! Veja como:

  1. Deposite na sua conta na Bitso fazendo transferência via TED ou PIX;
  2. Abra o app e clique na aba ‘Cripto’;
  3. Escolha AAVE e a quantia em reais que quer usar para comprar;
  4. Faça a conversão e pronto! 

Com isso, você já passa a contar com token Aave em sua carteira, e pode até transferir para a plataforma de empréstimos ou só manter guardadinho por aqui. Boa, né?

Bitso Brasil
O Time Bitso é formado por especialistas em criptomoedas, garantindo informações seguras e precisas sobre o mundo cripto.