Moedas surgindo do Bitcoin: o que são altcoins

O que são altcoins? Guia completo sobre as moedas digitais alternativas

Se você percorre os caminhos do mundo das criptos, certamente, já deve ter se deparado com este termo, mas você sabe exatamente o que são altcoins?

Basicamente, altcoins são todas as criptomoedas que não são o Bitcoin (BTC). Essa palavra é a combinação de outras duas: alternative e coin. Isso quer dizer que elas são alternativas à moeda digital de Satoshi Nakamoto.

Mas, quando se fala em algo alternativo, logo pensamos em um conceito “fora da caixa”, natureba, que não segue as regras ou padrões, não é? Não neste caso! 

Esse tipo de criptomoeda segue o mesmo princípio do Bitcoin— inclusive, muitas delas foram criadas com base no seu código. Elas somente receberam esse nome por terem sido desenvolvidas depois do BTC.

Ok, mas por que esses ativos digitais são importantes? Quantos existem, quais são, quais as principais diferenças entre eles e a primeira criptomoeda do mundo? 

Bateu a curiosidade? Então, continue a leitura e confira o que são altcoins e todos os seus detalhes! 

Afinal, o que são altcoins?

Mesmo quem nunca assistiu o filme “O Rei Leão” já deve ter lido ou ouvido esta frase: “Olhe, Simba, tudo isso que o sol toca é o nosso reino!”. Bem, Nakamoto — seja lá quem for essa pessoa ou grupo de pessoas — não pode usar essa frase para se referir ao Bitcoin.

Isso acontece porque, ainda que muitas pessoas relacionem esse ativo digital ao termo criptomoeda (no sentido de ser o único existente), nem tudo que o astro rei BTC encosta nesse mundo se refere a ele. Ou seja, há muitas, mas muitas outras opções. Por isso, você precisa saber o que são altcoins.

Como dissemos anteriormente, a palavra altcoin é usada para se referir a todas as criptomoedas que vieram depois do Bitcoin. Na prática, elas são uma alternativa à primeira cripto criada.

É difícil precisar quantas altcoins existem exatamente, visto que frequentemente novas moedas virtuais são desenvolvidas e lançadas nesse mercado — lembrando que todas que vêm depois do Bitcoin recebem esse nome.

Porém, se considerarmos plataformas como o CoinMarketCap, que aponta que existem mais de 15.220 criptos, já dá para ter uma boa ideia da quantidade de altcoins disponíveis (os dados são de dezembro de 2021).

Como surgiram essas criptomoedas alternativas?

No princípio, só existia o Bitcoin no mundo das criptomoedas. Mas Satoshi Nakamoto era uma pessoa (ou grupo de pessoas) legal e deixou o seu código livre, aberto, para quem quisesse usar como base para criar os seus próprios ativos digitais.

E foi graças a essa “camaradagem” que, em 2011, nasceu a primeira altcoin, chamada Namecoin (NMC).

Ainda que a sua base de desenvolvimento seja o Bitcoin, a Namecoin foi criada para atender outras necessidades que não eram supridas pelo BTC. Por exemplo, sua proposta inicial era ser um blockchain que pudesse ser usado para o registro de domínios descentralizados.

Com um serviço de Domain Name Server (DNS) baseado nessa tecnologia, a NMC se diferencia do Bitcoin, estabelece a sua própria personalidade e abre caminho para o surgimento de outras moedas digitais alternativas.

Logo depois dela, ainda em 2011, veio Litecoin, conhecida como a prata digital, assumindo seu segundo lugar em comparação ao Bitcoin.

Por que elas são importantes?

Agora que você sabe o que são altcoins, deve estar se perguntando qual a importância delas, não é mesmo?

Uma das principais razões pelas quais você deve conhecer essas criptos é que elas são uma maneira de diversificar a sua carteira.

Como dissemos, muitas pessoas ainda associam criptomoedas apenas a Bitcoin, como se essa fosse a única possibilidade desse universo. Mas o fato é que existem milhares de moedas digitais que podem ser interessantes e, por isso, vale a pena conhecer.

Qual a diferença entre elas e o Bitcoin?

No caso da Namecoin, a principal diferença com o Bitcoin era o seu propósito. É possível, portanto, considerar esse princípio para as demais altcoins.

As criptomoedas criadas após o BTC têm o propósito, basicamente, de suprir algumas limitações técnicas desse ativo. Várias têm como finalidade, por exemplo, melhorar a velocidade de transação, possibilitar a escalabilidade, trazer novas camadas de segurança, entre outros pontos.

Quais são as principais altcoins?

Para saber, de maneira completa, o que são altcoins, é preciso conhecer também as principais, concorda?

Alguns exemplos de moedas digitais alternativas ao Bitcoin que podem interessar a você estão Ether, Litecoin, Bitcoin Cash:

Ether

No ranking geral das principais criptomoedas, a Ether (ETH) ocupa o segundo lugar. Criada na rede Ethereum, que é uma plataforma aberta cujo projeto veio a público  no final de 2013 e ganhou vida em 2015, que possibilita o desenvolvimento de aplicativos descentralizados, contratos inteligentes etc, a ETH serve como ativo para compra de soluções na plataforma e também como meio de pagamento.

Litecoin

Com base no protocolo do Bitcoin, a altcoin Litecoin (LTC) foi criada em 2011 com o objetivo de ser mais “leve”. A ideia principal era o desenvolvimento de uma criptomoeda com tempo reduzido entre cada bloco (até 2,5 minutos) e processo de mineração que exigisse menos capacidade computacional.

Bitcoin Cash

Sim! O próprio Bitcoin tem uma altcoin para chamar de sua. O Bitcoin Cash, BCH, surgiu em 2017, depois de a comunidade identificar a necessidade de alguns ajustes no seu ativo digital, tal como aumentar o número de transações possíveis de serem realizadas por minuto.

Como não houve um consenso se essas adequações seriam feitas no próprio BTC, foi criada a BCH como uma bifurcação (fork) dessa cripto, com a aplicação das melhorias propostas. 

Como comprar e vender altcoins?

Esclarecido o que são altcoins? Então, chegou a hora de saber onde e como comprar e vender esses ativos digitais.

Entre as opções, estão as transações diretas (P2P — de pessoa para pessoa) ou por meio de uma exchange.

A comercialização direta de criptomoedas é totalmente possível. Porém, é preciso considerar pontos como os riscos que envolvem negociações desse tipo, tais como não ser pago pelas moedas digitais vendidas, ou não receber a cripto comprada.

Por uma corretora, como também podem ser chamadas as exchanges, você tem toda a segurança necessária. A principal razão é que essas empresas fazem a intermediação entre os interessados na compra e venda.

E se você escolher uma exchange como a Bitso, terá também o serviço de custódia, que é a guarda dos seus criptoativos na própria plataforma, dispensando a necessidade de adquirir uma carteira digital à parte.

Quer saber como funciona? Acesse agora mesmo o site da Bitso e confira!

Bitso Brasil
O Time Bitso é formado por especialistas em criptomoedas, garantindo informações seguras e precisas sobre o mundo cripto.