Imagem revelando o nome da pessoa que criou o Bitcoin

Saiba quem criou o Bitcoin e por que há tanto mistério ao redor de Satoshi Nakamoto

O Bitcoin é o projeto de criptomoeda mais conhecido, o ativo digital de maior preço por unidade (isso no início de 2022) e um grande sucesso. Aliás, Bitcoin é tão conhecido que muita gente – mas muita gente mesmo – acha que ele é praticamente sinônimo de “criptomoeda”, mesmo existindo tantas outras. Tipo, como quando a gente troca o nome de “palha de aço” ou de “lâmina de barbear” e usa o nome daquela marca famosa, sabe?

Por todo esse sucesso estrondoso, uma nova forma de ver o dinheiro e os avanços tecnológicos, quem criou o Bitcoin tem motivo para se orgulhar, né? Pois é, mas quem foi o criador ou a criadora dessa cripto?

Uma resposta simples? Quem criou o Bitcoin foi Satoshi Nakamoto. O mistério – e é aí que o caldo engrossa – é que ninguém sabe, de fato, quem é Satoshi Nakamoto. Isso mesmo! É uma pessoa só? Um grupo? Homem, mulher, alienígena? Não se sabe! 

Vamos contar aqui o que de fato sabemos sobre a criação e o criador (ou criadora) dessa criptomoeda. Vem com a gente!

Quem criou as criptomoedas?

Como explicamos para você no artigo sobre o que é criptomoeda, não existe um criador apenas. Isso porque elas são uma junção de diversas conversas, ideias e protocolos. Vamos explicar melhor.

A ideia de moedas digitais de forma geral começou a ser levada a sério na década de 1990. O debate em torno dessas moedas digitais e o uso de criptografia para sua segurança ganhou força na discussão de e-mails feita pelo grupo Cypherpunks.

Antes mesmo deles e de suas ideias em torno disso, o criptógrafo David Chaum escreveu sobre dinheiro digital, segurança e o uso de criptografia de forma mais rudimentar, e publicou suas visões em 1983. Chaum chegou a lançar uma versão dessa ideia, o eCash, em 1995. E tem mais: foi o trabalho dele que inspirou os Cypherpunks e suas perspectivas sobre moedas digitais criptográficas.

Depois dele, o cientista da computação e também criptógrafo Nick Szabo lançou o Bit Gold, que já trazia a ideia de descentralização, base para entender o que é Bitcoin, e do uso de PoW (prova de trabalho para consenso e verificação). Nessa linha, ainda vimos o B-Money do desenvolvedor Wei Dai – também descentralizado.

Entre essas tentativas e os debates dos Cypherpunks focados em criptografia para manutenção da privacidade das pessoas, as bases para o que conhecemos hoje como criptomoeda se formavam e se fortaleciam. Foi daí que veio toda a fundamentação para criar o Bitcoin, que foi lançado com um whitepaper publicado em 31 de outubro de 2008, e acabou conhecido como a primeira criptomoeda.

E quem criou o Bitcoin mesmo?

Tá, você já sabe, o nome é Satoshi Nakamoto. E a gente te contou lá em cima que esse nome é, sem dúvida, um pseudônimo: a identidade de fato do Sr. (ou Sra.) Nakamoto, ninguém sabe. Inclusive, acredita-se amplamente (e a gente aqui concorda) que Nakamoto é um grupo de pessoas, não uma pessoa só, até por conta da solidez do projeto.

Quem criou o Bitcoin teve que acompanhar todas as descobertas anteriores para chegar a essa criptomoeda, reunir conceitos difíceis de criptografia, tecnologia e redes, entender de desenvolvimento de softwares e muito mais – tudo para chegar ao que conhecemos hoje como Bitcoin. Ou seja, são muitos conhecimentos para uma pessoa só.

Esse ativo é descentralizado (ou seja, não roda em um único computador, nem está na mão de uma entidade, mas distribuído pela sua rede), e tanto a criação (mineração) de novas unidades quanto a validação das transações acontece em ambiente digital, o blockchain, de forma pública, mas protegendo a identidade das pessoas. Podemos agradecer à criptografia.

A mineração de Bitcoin, apesar do nome que remete a algo estilo Sete Anões, acontece nos computadores: simplificando bem, é uma corrida para ver quem resolve primeiro problemas matemáticos aleatórios complexos e acha a sequência correta de dígitos para dizer que foi responsável por minerar o bloco.

O Bitcoin foi idealizado dessa forma e, em seu código, ainda se prevê que existam apenas 21 milhões de unidades da criptomoeda. Isso gera a escassez que dá ao Bitcoin ainda mais valor. Mais de 90% das unidades já foram emitidas. 

Depois de minerado e validado, o bloco passa a fazer parte do blockchain de Bitcoin de forma praticamente irreversível. O primeiro bloco de Bitcoin, também conhecido como Genesis Block, foi minerado pela entidade Satoshi Nakamoto em 09 de janeiro de 2009. Pouco depois, Satoshi desapareceu.

O que sabemos do/da criador(a) do Bitcoin Satoshi Nakamoto

Calma, não foi imediatamente após minerar o primeiro bloco que Satoshi sumiu. Até 2010, essa pessoa ou grupo estava online, com participação ativa nos fóruns que discutiam os desenvolvimentos da sua criação, o Bitcoin.

Durante esses dois anos entre o lançamento do whitepaper e os cuidados após a viabilização da rede com a mineração do primeiro bloco, Satoshi ficou em atividade por fóruns e trocas de e-mails, falando abertamente com grupos ou até mesmo de forma privada com desenvolvedores.

Enquanto esteve na ativa, Satoshi ocultou o IP de navegação e usou meios eletrônicos para esconder a origem de seus e-mails. Tudo para realmente proteger sua verdadeira identidade.  Em 2011, Nakamoto saiu de cena e a liderança de seu projeto passou para o desenvolvedor Gavin Andersen.

Desde então, muita gente tenta descobrir quem é Satoshi, e algumas pessoas chegam a afirmar que são de fato Nakamoto. Mas por que o interesse?

Bom, primeiro e mais óbvio, o Bitcoin só cresceu desde sua criação. É um fenômeno que desperta interesse. Por consequência, claro, todo mundo quer saber quem criou essa criptomoeda

Além disso, acredita-se que Satoshi seja uma das pessoas mais ricas do mundo. No primeiro ano da rede de Bitcoin, foram mineradas pouco mais de um milhão de unidades de Bitcoin que nunca foram transacionadas – tudo aponta para o fato de elas serem de Satoshi.

Por que Satoshi nunca usou suas criptomoedas? Assim como não se sabe quem é, não dá pra saber por que tem tantas unidades de Bitcoin paradas, porém, a gente sempre pode teorizar, né?

Alguns acham que, no começo, Satoshi não queria dar bandeira mesmo. Como queria manter a anonimidade, faria sentido que não pegasse sua fortuna.

Como mais de 10 anos se passaram, também é possível que, caso seja uma pessoa só, Satoshi Nakamoto tenha cometido o erro que muita gente faz: perdeu suas chaves privadas que dão acesso ao uso do Bitcoin e, assim, não pode usar as criptomoedas (sim, isso acontece! Assim como perdemos notas de dinheiro às vezes, também perdemos moedas virtuais…).

Outra possibilidade é a de que a pessoa que criou o Bitcoin tenha morrido sem passar o acesso para alguém herdar essa quantia absurda de Bitcoin. Triste, mas possível.

Para desvendar o mistério, só descobrindo mesmo quem é Nakamoto. Como dissemos, muita gente tenta. Vamos a algumas possibilidades – em ordem alfabética, para não dar preferência a ninguém.

Adam Back

Uma das criações que influenciou o Bitcoin se chamava Hashcash, e veio do programador, criptógrafo e doutor em Ciência da Computação Adam Back – nome que ainda está presente no primeiro e-mail divulgado de Satoshi (junto com o nome do último suspeito de ser Nakamoto em nossa lista alfabética).

Um dos indícios que quem crê que Adam é Satoshi aponta, além da sua proficiência em programação, é o fato de Back ter dado uma pausa na vida acadêmica, mesmo sendo doutor, justamente na época do desenvolvimento do Bitcoin. Ah, ele também é um dos Cypherpunks.

Adam Back nega ser Satoshi, diferente do nosso próximo suspeito.

Craig Wright

Diferente dos demais suspeitos na lista, este programador australiano que mora em Londres veio a público em 2016 alegando ser Nakamoto. Para provar, ele disse que ia movimentar uma parte de suas unidades de Bitcoin nunca usadas (aquelas lá dentre as primeiras mineradas que a gente comentou aqui em cima).

Nada aconteceu com essas unidades até o momento deste artigo. Boa parte da comunidade do Bitcoin não ficou feliz e rejeitou a possibilidade de Wright ser Satoshi, mas ele não se deu por vencido: tentou processar para poder registrar a patente do software de Bitcoin, mesmo sendo um projeto aberto (open-source).

Fora esse processo, há outros que envolvem Wright – e isso pode até ajudar a provar ou refutar que ele é Satoshi. Ele próprio também foi processado.

Em dezembro de 2021, Wright venceu um processo contra ele em Miami, em que a família de um ex-colega já falecido alegava que eles tinham criado o Bitcoin juntos, o que daria à família o direito à parte daquelas primeiras criptomoedas mineradas na rede.

Dorian Nakamoto

Dorian nunca disse ser Satoshi, pelo contrário. Foi pelo sobrenome dele e pelo fato de ter ascendência japonesa que ele teve que negar ser o criador do Bitcoin.

Em 2014, o engenheiro tinha em seu currículo uma carreira brilhante – e isso foi o suficiente para um repórter da Newsweek achar que Dorian era outro Nakamoto também, nosso ilustre Satoshi.

Interessantemente, logo após essa notícia, Satoshi voltou para os fóruns que sempre frequentou online para, assim como Dorian, desmentir isso. E… sumiu de novo!

Hal Finney

Este criptógrafo bem-sucedido é um dos principais suspeitos dentre as pessoas que investigam a identidade de Satoshi Nakamoto.

Como um dos principais autores do PGP 2.0, ele tem uma mente brilhante o suficiente para respaldar a teoria. Além disso, Finney esteve muito ativo na rede Bitcoin desde o princípio, tendo recebido uma das primeiras transações da criptomoeda e sido uma das pessoas por trás do estilo de mineração de PoW do Bitcoin.

Quer mais para engrossar o caldo das suspeitas? Temos! Ele largou suas atividades em PGP no mesmo ano em que Satoshi sumiu do mapa: 2011. E uma análise de estilo de escrita feita por especialistas ainda aponta para o fato de que as publicações de Finney e de Nakamoto carregam semelhanças incríveis. Aliás, esse mesmo estudo de estilo também se aplica ao próximo da lista.

Nick Szabo

É, esse cara aqui também tem um estilo de escrita que bate com o de Satoshi Nakamoto. Mas, claro, não é só isso que o torna suspeito.

Nick Szabo é cientista da computação, com amplo conhecimento de criptografia e um profissional atuante na área. A gente já falou dele aqui: ele criou o Bit Gold, precursor do Bitcoin. E vale dizer que o Bit Gold foi citado no whitepaper do Bitcoin.

O trabalho de Szabo foi valioso para a construção da fundamentação do Bitcoin. Szabo nega ser Satoshi, mas o The New York Times desconfia dele, e ele é citado como Nakamoto até no livro Bitcoin: The Future of Money.

Wei Dai

Wei Dai tem vários traços que poderiam indicar que ele é Satoshi Nakamoto: engenheiro formado em Ciência da Computação, profissional atuante que contribui muito com o campo da criptografia e mesmo com as criptomoedas, ele ainda fez parte do grupo dos Cypherpunks.

E lembra que a gente comentou que o Bitcoin teve precursores? Assim como Szabo, Wei Dai também já apareceu nesse artigo por conta de ter criado o B-Money: uma tentativa de um sistema eletrônico com dinheiro digital que mantinha a privacidade das pessoas e cujas transações seriam verificadas pela comunidade. Seu funcionamento era bem diferente do Bitcoin, mas ainda assim, as premissas eram similares.

Seja quem for, o criador do Bitcoin é rico

Sim. Ele é rico – podre de rico até. Lá quando ganhou vida, a mineração de Bitcoin recompensava com 50 BTC por bloco. Na época, cada Bitcoin valia praticamente nada – centavos! E lá estava Satoshi minerando e guardando suas criptomoedas.

Como comentamos, ao que tudo indica, das unidades de Bitcoin em circulação hoje, aquelas mineradas lá no começo e que nunca foram usadas, são de Nakamoto: em torno de 1 milhão dessas criptomoedas. Dá uma olhada aqui na cotação do Bitcoin hoje e faz a conversão… É muita grana!

Se essas moedas digitais forem mesmo dele, pelos cálculos da Entrepreneur, Nakamoto seria uma das 50 pessoas mais ricas do mundo de criptomoedas.

A gente pode nunca descobrir quem criou o Bitcoin ou quem é Satoshi Nakamoto, porém, o que sabemos acompanhando a trajetória do Bitcoin é que muitas questões importantes e avanços tecnológicos vieram de sua criação, e esse pode ser um indicativo do que o futuro do dinheiro reserva. Aqui na Bitso, claro, estamos de olho.

Se você tivesse que teorizar, já parou para pensar quem seria seu ou sua principal suspeito(a) para a verdadeira identidade do Satoshi? Conta para a gente!

Bitso Brasil
O Time Bitso é formado por especialistas em criptomoedas, garantindo informações seguras e precisas sobre o mundo cripto.