Carteira Bitcoin: o que é, quais são os tipos e como criar a sua?

Bolsinha representando uma carteira de Bitcoin

Vamos iniciar este artigo indo direto ao ponto: carteira Bitcoin é um local utilizado para armazenar seu saldo de Bitcoin, simples assim! Será mesmo?

Com funcionamento semelhante ao das carteiras digitais, solução cada vez mais comum para guarda, movimentação e pagamento de valores em reais, as carteiras para Bitcoin são específicas para armazenar esse tipo de criptoativo.

De uma forma resumida, existem dois tipos de carteiras que possibilitam guardar esses ativos digitais, que são as online e as off-line.

As carteiras online, também chamadas de carteiras quentes ou hot wallets, são as que dependem de conexão com a internet para funcionar. As off-line, carteiras frias ou cold wallets, por sua vez, independem do meio virtual.

No entanto, é essencial que você saiba que elas são subdivididas. Com isso, temos as carteiras web, móveis, de desktop, de hardware e de papel.

Complicou um pouco? São muitas opções? Relaxe! Neste artigo, falaremos em detalhes sobre cada uma delas, como criar a sua e qual a carteira para Bitcoin mais indicada.

Por isso, continue a leitura e fique por dentro desse assunto!

O que é uma carteira Bitcoin?

Conforme demos um spoiler logo no início deste artigo, a carteira Bitcoin é um lugar criado especificamente para a guarda desse criptoativo, podendo ser utilizado para armazenamento de outras criptomoedas também.

As carteiras para ativos digitais podem ser comparadas a uma conta bancária tradicional. Nelas, é possível acompanhar o seu saldo e guardar suas criptomoedas depois de comprar mais Bitcoin. É também dessa ferramenta que serão retirados os ativos que você porventura vender.

Como funciona uma carteira Bitcoin?

A wallet, como também pode ser chamada a carteira para guarda de Bitcoin, funciona armazenando as chaves que originam esse criptoativo.

Chaves? Mais um termo que terei que aprender?” Nós explicamos! Tratam-se de sequências de letras e números que, quando convertidas, geram uma série com 12 a 24 palavras em inglês, a depender da solução que está sendo utilizada.

Há dois tipos de chaves, as públicas e as privadas. As públicas são aquelas que você disponibiliza para outras pessoas em negociações, como no processo de venda de Bitcoin.

Já as privadas funcionam como a senha de um cofre. São elas que possibilitam todas as movimentações possíveis, por isso, não podem ser divulgadas a ninguém!

Essas chaves também fazem parte do processo de segurança da guarda das criptomoedas. Pelas seed words (palavras-semente), é possível fazer o backup dos ativos e recuperá-los se você tiver algum problema — por exemplo, perda de acesso à carteira, extravio do smartphone, ou algo semelhante.

Quais tipos de carteiras para esse, e outros, criptoativos existem?

Quando uma pessoa entra no mundo dos ativos digitais, ela tem algumas alternativas para guardar as criptomoedas adquiridas, que são deixar a custódia com uma exchange (corretora) ou usar uma wallet.

No primeiro caso, é interessante destacarmos que não é preciso se preocupar com as chaves que citamos, visto que todo esse processo fica sob responsabilidade da empresa que está armazenando a cripto.

Se optar pela carteira, é essencial que você saiba que existem dois tipos, as online e as off-line. Essas, entretanto, contam com diferentes opções:

  • Carteiras Bitcoin online ou carteiras quentes:
    • Mobile;
    • Desktop.
  • Carteiras Bitcoin off-line ou carteiras frias:
    • Hardware;
    • Papel.

Mobile

A carteira Bitcoin mobile é aquela baixada e utilizada em um dispositivo móvel, como tablets e smartphones. A principal vantagem dessa solução é que ela pode ser utilizada de qualquer lugar, a exemplo do que acontece com os aplicativos bancários.

Desktop

Já as wallets para desktop são aquelas que só podem ser usadas em computadores e notebooks. Um dos benefícios dessa solução é que ela tende funções bem interessantes – algumas até melhores do que apps mobile.

Hardware

A carteira hardware, ou hardware wallet, faz parte das carteiras frias, que são aquelas que não precisam de conexão com a internet para serem utilizadas — algumas opções funcionam via bluetooth ou cabo USB.

Considerando esse conceito, estão os dispositivos físicos usados para guarda das chaves, como pen drives e outros dispositivos off-line.

O que destaca essa alternativa das demais é que, o fato de o hardware não estar conectado ao mundo virtual, as chances de sofrer ataques cibernéticos é, praticamente, inexistente.

Papel

As papers wallets, ou carteiras de papel, são papéis nos quais estão contidas as chaves em forma de QR Code. 

Por mais que usar uma solução como essa para promover a guarda de um ativo que é 100% digital pareça algo contraditório (e até mesmo arcaico), as carteiras de papel são uma maneira segura de armazenar grandes quantias de criptomoedas que não serão movimentadas com frequência.

Essa alternativa também tende a ser bastante utilizada por traders, que são profissionais que trabalham com operações de compra e venda de criptoativos.

A segurança dessa carteira Bitcoin está na condição de ela ser 100% off-line, uma vez que, feita a sua impressão, independe de meios digitais para existir.

Porém, o mesmo ponto positivo pode se tornar negativo, já que papéis são frágeis e podem, facilmente, ser perdidos.

Como criar uma carteira Bitcoin?

Para criar uma carteira Bitcoin, o primeiro passo é decidir qual a melhor opção para você, visto que cada solução requer um processo inicial diferente.

Uma boa maneira de definir qual a wallet mais indicada para o seu momento é respondendo questões como:

  • Qual sistema você utiliza mais e faz parte do seu dia a dia? Por exemplo, usa mais o computador ou o smartphone para fazer as suas transações financeiras?
  • Pretende movimentar (comprar e vender) constantemente suas moedas digitais ou vai comprar e deixar guardadas por um período longo?
  • Quanto você entende desse universo e tem domínio para lidar com ele sem o auxílio de um intermediário?
  • O que você busca com a solução de armazenamento: mais segurança, facilidade de acesso aos seus ativos digitais, etc?

Vamos supor que você optou por uma carteira quente, ou seja, online. De modo geral, o passo a passo para criar a sua é:

  • acessar o site ou aplicativo;
  • baixar no dispositivo escolhido, móvel ou não;
  • fazer o seu cadastro;
  • apresentar os documentos comprobatórios solicitados;
  • transferir as criptos para a wallet.

Qual a carteira Bitcoin mais indicada?

Agora que você sabe de tudo isso, deve estar se perguntando qual a carteira para guarda de Bitcoin e criptoativos mais indicada, certo?

A resposta para essa pergunta é: aquela que melhor atender às suas necessidades. Para isso, você deve considerar os pontos que acabamos de citar.

Aqui, vale destacar que manter os seus ativos sob a custódia de uma exchange encurta esse caminho, bem como facilita o processo de compra e venda de moedas digitais, além de ser mais seguro.

Na Bitso, por exemplo, as suas criptomoedas ficam protegidas e distribuídas entre hot, cold e warm wallets (um híbrido das duas primeiras).

Somado a isso, temos um seguro da Coincover, que é especializado em criptomoedas, cobrindo cada Bitcoin que está sob a nossa custódia. Assim, você pode saber o quanto a Bitso é confiável.

Para saber como tudo isso funciona, acesse agora mesmo o site da Bitso e confira!