Como montar um planejamento financeiro familiar?

Dicas para fazer um planejamento financeiro familiar com sucesso

Família que poupa unida permanece unida e, com ainda maior certeza, não se endivida!

Quando o assunto é a poupança das famílias, mesmo se tratando de uma decisão bastante indicada por muitos especialistas em finanças, o ideal é ela não ser uma ação isolada, mas parte de algo maior que atende pelo nome de planejamento financeiro familiar.

E o que seria esse planejamento? Alguma coisa complicada de aprender e mais ainda para pôr em prática? Veremos a seguir o que significa esse planejamento, assim como a sua aplicação, que pode ser mais simples do que se imagina.

Embora o planejamento seja simples, sabemos que nem sempre é fácil. Por isso, trouxemos ideias aqui para seguirmos rumo a um planejamento financeiro familiar de sucesso.

O que é um planejamento financeiro familiar?

Saber o quanto uma família tem de gastos e rendimentos é a forma mais direta de explicar o que é o planejamento financeiro familiar. A partir disso, a matemática é simples: planejar o total de gastos de acordo com a renda recebida.

Em que eu e as pessoas que moram comigo estamos gastando? O dinheiro pode estar sendo gasto de maneira impulsiva, com coisas caras e desnecessárias, para satisfazer apenas um desejo momentâneo de consumo. Mas também é possível que o uso do dinheiro seja feito de modo mais consciente, voltado para algum projeto a longo prazo, como na realização do sonho da casa própria.

A forma de saber como o dinheiro está sendo gasto passa justamente por um bom planejamento, que torna as pessoas mais esclarecidas quanto ao seu orçamento, servindo como um tipo de educação financeira. 

Por que o planejamento financeiro familiar é importante?

O planejamento financeiro é um instrumento para se planejar a própria vida. No caso de uma família, esse instrumento ganha ainda maior importância, por envolver a vida de mais de uma pessoa. Dessa forma, o planejamento financeiro familiar é importante para garantir mais tranquilidade para a família.

Será que poderei comprar um carro maior? Com a chegada de novos membros à família, uma reforma para aumentar a casa costuma ser bem-vinda, mas dá para fazer isso agora? No lugar de um simples  “sim” ou  “não”, um bom planejamento financeiro permite que perguntas desse tipo possam ser avaliadas de modo mais amplo, com um “depende de”.

Tanto a compra de um carro mais espaçoso quanto uma reforma em casa geram gastos extras, além de  dependerem de outras variáveis não previstas, como questões relacionadas à economia ou a doenças. Por exemplo, bebês podem ficar doentes, pode ser dentro de um carro espaçoso ou no meio de uma reforma, trazendo custos novos e que não podem ser evitados.

6 metas do planejamento familiar

Para fazer qualquer coisa, é necessário traçar algum tipo de meta que precisa ser alcançada e, no caso do planejamento familiar em particular, isso não é nada diferente (muito pelo contrário).

No geral, as metas do planejamento familiar são os objetivos em termos de economia e gasto que se espera alcançar, considerando um determinado período de tempo. É possível estabelecer uma meta para os próximos dias ou até mesmo para as próximas décadas, algo que depende muito do tipo de meta planejada e também daquilo que se está disposto a fazer para alcançá-la.

Vários exemplos, que variam de família para família, podem ser citados quando o assunto é meta de planejamento familiar. A seguir, vemos as seis metas que costumam ser mais comuns para diversas famílias nesse assunto:

  1. viver dentro do orçamento;
  2. pagar dívidas do cartão de crédito;
  3. manter um fundo de emergência;
  4. melhorar o nível de renda;
  5. investimento de longo prazo em educação;
  6. economizar para a aposentadoria.

Viver dentro do orçamento é o famoso “não gastar mais do que se ganha”. Se você ganha um valor de “X” reais e quer viver dentro desse orçamento, de jeito nenhum você poderá gastar “2X” ou “X + 1”. E claro, para cumprir essa meta, é importante manter em dia a fatura do cartão de crédito.  

No entanto, imprevistos acontecem, e é aí que a reserva de emergência entra no planejamento familiar: você guarda para um “dia de chuva”, para situações difíceis de prever, como doenças e demissões. E guardar um pouco todo mês para montar sua reserva é uma tarefa que exige muita, mas muita disciplina. Ainda assim, vale a pena, pelo sossego.

Para o caso das famílias que possuem crianças, pensar na educação como um investimento de longo prazo é importante. A educação superior faz diferença, principalmente em termos de qualificação e em colocação no mercado de trabalho, e é bom ter fundos guardados para isso.

Falando em longo prazo, nunca devemos esquecer a nossa velhice, quando vamos nos aposentar. Geralmente, a aposentadoria vem acompanhada do aumento de gastos (principalmente com saúde) e redução salarial, o que torna essencial economizar desde jovem para esse momento da vida.

Então, agora que você já entendeu as metas do planejamento, vamos falar sobre como fazer isso para sua família?

6 passos para fazer um planejamento financeiro familiar

Agora vamos para a prática do passo a passo de como fazer um planejamento financeiro familiar.

Descobrir o que realmente é essencial nos gastos e o que não é

Precisamos começar pelo processo de conhecimento dos nossos gastos. Muitas vezes, geralmente em um momento de impulso, temos a impressão de que uma série de coisas são essenciais, não importando o custo e a real utilidade. Na sua casa, comer fora nos finais de semana ou sempre escolher produtos de marcas famosas faz parte do grupo de gastos essenciais?

Então, o primeiro passo é catalogar cada um dos gastos realizados por sua família, desde as compras mensais até hábitos de lazer, como forma de separar o que é essencial (que não podemos viver sem) e o que não é tão essencial assim (que podemos tirar do nosso orçamento).

Estabelecer metas financeiras

Já falamos a respeito do estabelecimento de metas. Sobre isso, é importante chamar atenção para a questão do tempo para cumprir as metas estabelecidas. Nem toda meta pode ser cumprida de um dia para o outro, muitas vezes precisamos de mais tempo, o que requer bom planejamento e disciplina.

As metas precisam ser condizentes com os seus objetivos. Logo, quanto maior é o objetivo, como viajar para Disney ou comprar um carro zero quilômetro, mais ambiciosa tende a ter que ser a sua meta. 

 Não pesar a mão na ambição

Em relação ao estabelecimento de metas ambiciosas, uma observação precisa ser feita: cuidado! Planejar metas extremamente difíceis e restritivas pode acabar gerando um efeito reverso, o de uma grande frustração que pode colocar todo o planejamento financeiro a perder.

Por isso, no momento de estabelecer metas, é importante manter os pés no chão e verificar suas chances de tornar real aquilo que está planejando. Equilíbrio é importante – não dá para sair do aluguel para uma mansão própria, por exemplo, em um mês.

De acordo com uma famosa citação, muitas vezes, o ótimo é inimigo do bom. Assim, na hora de estabelecer as suas metas, procure não “forçar a barra” – um passo por vez.

Não estourar o orçamento

Não estourar o orçamento, que é gastar menos do que se ganha, é uma lógica simples de aprender, mas complicada de ser seguida na prática. As tentações são muitas, e a vontade de comprar pode acabar superando a vontade de respeitar o teto do orçamento familiar.

Para não estourar o orçamento da família, é importante ir direto para o corte dos itens identificados como não essenciais. Tudo o que não for essencial pode ser cortado, dependendo apenas da relação custo e benefício do item, do nível de aperto do orçamento e do comprometimento com as metas que foram estabelecidas pela família nesse planejamento.

Ter uma reserva financeira

Como já falamos, por mais que possamos ser detalhistas, monitorando cada receita e despesa, imprevistos podem ocorrer: acionar um seguro por um acidente, uma consulta médica porque alguém está passando mal, coisas que acontecem sem prevermos. Uma das poucas formas de lidar com isso é mantendo uma reserva financeira, resultado de uma economia realizada ao longo do tempo.

Não existe um valor exato para se economizar, dependendo do perfil da família, mas é indicado que esse valor possa dar conta de suprir as necessidades da família em momentos de dificuldade por um período mínimo de 3 a 6 meses.

Colocar o dinheiro para trabalhar

Quando se fala em planejamento familiar, o lado da despesa recebe uma enorme atenção. Porém, não podemos nos esquecer do lado da receita, e saber como aplicar o dinheiro é indispensável para qualquer orçamento.

Conheça as formas de usar seu dinheiro e entenda o que é melhor para suas metas: desde investimentos de renda fixa a investimentos de renda variável, bem como diferentes jeitos de aportar – como é o caso das criptomoedas (e, nesta última opção, claro que a gente recomenda que você venha para a Bitso).

6 dicas para um planejamento financeiro de sucesso

Planejar é extremamente importante, mas pode parecer difícil de fazer. Temos aqui algumas dicas que podem servir para ajudar o planejamento a ser cumprido na prática.:

Conte com a colaboração de toda a família

Como já conversamos aqui, família que poupa unida permanece unida. Sem união, o devido entendimento a respeito do que precisa ser feito e a colaboração de todos, nenhum planejamento dará certo.

Todo centavo é importante

Não existe isso de muito ou pouco dinheiro, todo o tipo de economia possível, que faz parte do grupo de itens não essenciais, é muito bem-vinda!  Cada centavo economizado é motivo de comemoração.

Evite compras a prazo

Nas compras a prazo, sempre vem embutido algum tipo de taxa ou juro extra. Por isso, é interessante procurar sempre fazer compras à vista, pois isso, além de evitar juros, possibilita bons descontos.

Não comprar por impulso

Antes de comprar, procure se fazer a seguinte pergunta: eu quero isso ou eu preciso disso? Após essa reflexão, procure pensar sobre o custo/benefício daquela compra e o seu peso no orçamento. Uma dica extra dentro dessa: sempre pense se você pode tomar a decisão de compra 24 horas depois e, após esse tempo, veja se ainda quer comprar – isso evita comprar por impulso.

Não se anime antes da meta

Na medida em que um bom planejamento financeiro é executado e você começa a ver resultados, aquele dinheiro extra na conta dá uma coceirinha na palma da mão – chama “vontade de gastar”. Pode parar! Claro que se dar uma folguinha às vezes ajuda até a manter o foco, mas cuidado, está bem?

Continue a desenvolver sua inteligência financeira

A inteligência financeira é importante no dia a dia. A cada decisão diária, o ideal é sempre procurar seguir as metas e o planejamento de forma equilibrada. E, principalmente com os erros, não se esqueça de, em família, colocar em pauta o que foi aprendido ali para evitar que aconteça de novo no futuro.

E aí, tudo pronto para seu planejamento familiar?

O planejamento financeiro familiar é extremamente importante, um instrumento essencial para a vida das pessoas e famílias. Com esse planejamento, os sonhos de uma vida inteira ficam mais fáceis de se realizar. 

Ao contrário do que se pensa, a prática do planejamento financeiro familiar pode ser atingível – como tentamos te mostrar, desde que você tenha em mente alguns passos importantes. Por isso, trace as suas metas, estabeleça o seu planejamento e a melhor forma de colocá-lo em prática.

Cumprindo essas etapas, o resultado é o sucesso!

E, para seguir desenvolvendo sua inteligência financeira, informação é um ponto chave. Continue aqui com a gente no blog da Bitso.