Ativos Financeiros: o que são, como funcionam e como ganhar dinheiro com eles!

Vamos começar com uma charada. O que é, o que é? O seu valor vem de um direito contratual existente, não precisa ter forma física, além de que questões como liquidez e rentabilidade possuem enorme importância. Já conseguiu adivinhar? 

Para os que acertaram, faço um convite para que continuem lendo os nossos próximos artigos e, para os que por acaso tenham errado, faço uma sincera recomendação para que, após lerem este artigo, leiam todos os nossos artigos anteriores aqui do Blog da Bitso, inclusive este que explica o que é o mercado financeiro.

Enfim, a resposta para essa charada se chama ativo financeiro! Os ativos financeiros são ativos líquidos que ganham o seu valor por meio de um direito contratual ou a partir de uma reivindicação de propriedade. Parece complicado, mas vem com a gente que você vai entender direitinho!

O que são ativos financeiros?

A quantidade de dinheiro que você realmente tem, sem vender nenhuma propriedade ou pertence, pode ser medida pelo valor total dos seus ativos financeiros. Então, com base nisso, você poderia saber exatamente qual é o tamanho da sua riqueza. 

Tenho certeza que você que está lendo esse texto agora possui algum ativo financeiro, mesmo sem saber exemplos ou mesmo o que significa.

Ações, dinheiro, depósitos bancários e títulos são alguns exemplos de ativos financeiros. Diferente de terras, propriedades e outros ativos tangíveis – coisas que podemos tocar -, os ativos financeiros não precisam ter valor físico inerente ou mesmo uma forma física. 

Tudo aquilo que possui valor e é negociado no mercado financeiro pode ser considerado como um ativo financeiro, destacando que, como vimos anteriormente, esses ativos têm valor por meio de um direito contratual e não precisam ser tangíveis. Os ativos financeiros geralmente possuem grande liquidez (velocidade para se transformar em dinheiro), principalmente quando comparados com ativos tangíveis.

O valor de um ativo financeiro representa fatores de oferta e demanda no mercado em que são negociados, assim como o grau de risco que carregam – essa parte ficará mais clara adiante, com o tópico sobre tipos de ativos financeiros.

3 características dos ativos financeiros

O universo dos ativos financeiros é enorme e cheio de diversidade, logo é muito difícil fazer definições com base em características que possam representar cada ativo financeiro – isso não refletiria a realidade. Porém, três características chamam a atenção, principalmente na hora de você decidir sobre qual ativo financeiro investir. Essas características são:

  • parecem intangíveis;
  • geram rentabilidade;
  • possuem liquidez.

Já comentamos anteriormente sobre a questão de ativos tangíveis e intangíveis. No caso dos ativos financeiros, a tentação é de chamá-los de totalmente intangíveis. Essa afirmação não é de todo falsa, mas é superficial, impedindo um maior entendimento sobre o tema.

O papel que representa um ativo financeiro é uma reivindicação de propriedade de uma entidade – a exemplo de uma empresa -, ou direitos contratuais a pagamentos – como a receita de juros de um título público. É dessa reivindicação contratual sobre um ativo subjacente que os ativos financeiros possuem valor.

A questão principal é que esse ativo subjacente (aquele que vai dar base para o ativo financeiro) pode ser real, como é o caso das commodities. 

Outra característica dos ativos financeiros, que nesse caso é especialmente importante para te orientar na hora de escolher um ativo, é o tipo de rentabilidade. Isso possui relação com o perfil do investidor: que possui diferentes objetivos e pode querer assumir menor ou maior risco em relação aos seus investimentos.

Assim, há ativos financeiros em que a rentabilidade é conhecida no momento da aplicação, oferecendo uma maior segurança e sofrendo menores variações. Enquanto que existem outros ativos financeiros em que essa situação não acontece, com a rentabilidade sendo desconhecida no momento em que a aplicação é realizada, possuindo um maior nível de volatilidade.

A liquidez também é uma característica muito importante no momento de optar por um ativo financeiro, dependendo do perfil (da paciência) de quem está investindo. O nível de liquidez desses ativos varia, podendo ter menor ou maior liquidez, o que afeta o período de resgate do valor investido (que pode levar horas ou até mesmo vários anos).

Quanto menor (maior) é a liquidez, menos (mais) rápido se pode transformar um ativo em dinheiro. Portanto, se você investe em um ativo financeiro de alta liquidez, você poderá converter esse ativo em dinheiro no curto prazo. Caso contrário, investindo em um ativo financeiro de baixa liquidez, a conversão desse ativo em dinheiro só poderá ser feita em um período de tempo mais longo.

Por isso, antes de investir procure conhecer as características dos ativos do seu interesse. Será que o ativo subjacente é real? E a rentabilidade, qual é o tipo? E no caso da liquidez, é maior ou menor?

3 tipos de ativos financeiros

Nessa altura, depois de saber a definição e algumas das características, você já deve estar curioso em saber quais são os principais tipos de ativos financeiros. Sobre isso, não podemos nos esquecer de três:

  • ativos de geração de renda;
  • ativos de reserva financeira;
  • ativos de crescimento.

Os nomes de cada tipo de ativo financeiro são quase que autoexplicativos. Os ativos de geração de renda, por exemplo, são uma opção voltada para a rentabilidade, com o objetivo de garantir uma renda periódica para o investidor. Como exemplo desse tipo de ativo temos as ações, as criptomoedas e os fundos imobiliários.

Já os ativos de reserva financeira, como o próprio nome faz referência, é para aqueles que procuram garantir uma reserva financeira, uma aplicação com menores riscos. As pessoas que procuram por esse tipo de ativo costumam evitar o risco, preferindo maior segurança ao custo até mesmo de uma menor rentabilidade. A poupança é o exemplo mais famoso de ativo de reserva financeira.

Muito diferente são os ativos de crescimento, indicados para investidores com disposição e coragem para tirar vantagem das oscilações do mercado. Geralmente quem aplica nesses ativos espera por lucros no curto prazo. Um exemplo bem popular desse tipo de ativo é o Exchange-traded fund (ETF).

Ativos financeiros vs Passivos financeiros

Por mais que se fale de ativos financeiros – algo que nos comprometemos em fazer desde o início do texto – não há como falar sobre esse assunto de modo completo sem considerar os passivos financeiros.

Sobre essa questão, uma boa leitura complementar a ser feita é do livro Pai Rico e Pai Pobre, best-seller escrito por Robert Kiyosaki e Sharon Lechter.

Mas o principal ponto para se ter em mente é a respeito de ativos financeiros vs passivos financeiros. Os ativos são formas de “colocar dinheiro no seu bolso” e os passivos “tiram dinheiro do seu bolso”. Isto é, os ativos geram renda e os passivos consomem renda.

Esse conceito é um pouco mais aberto e gera bastante reflexão: aquele carro que você sempre sonhou em comprar e depois de muitos anos comprou, é um ativo ou passivo? Depende do quanto ele, no saldo do dia a dia, gera ou consome da sua renda; se você utiliza ele para trabalhar e ganhar dinheiro, será um ativo, mas se apenas quiser passear aos fins de semana, será um passivo.

Olhando para outros itens: Bitcoins, por exemplo, são um tipo de ativo financeiro – com preço atrelado ao mercado e alta volatilidade -, pois gera rendimentos (possui rentabilidade variável). Por outro lado, a casa que você mora ou o seu carro particular – desconsiderando o uso do carro para transportar pessoas e mercadorias em troca de pagamento – são passivos, já que apenas geram custos e não receitas.

Como criar ativos financeiros?

O primeiro ponto, algo que precisa virar um mantra na hora de escolher algum investimento financeiro, está em conhecer o seu perfil para investir. É muito importante saber qual a sua disposição em assumir riscos, isto é, você prefere evitar riscos ou prefere alcançar os maiores ganhos possíveis? Responder essa pergunta pode te ajudar a tomar a decisão certa na hora de escolher um ativo financeiro.

Questões como rendimentos, liquidez e custos dos ativos financeiros também são muito importantes e precisam ser observadas na hora de fazer a sua escolha.

É claro que, na prática, isso tudo não é algo tão fácil de se fazer, muitas vezes havendo a necessidade de alguma ajuda profissional. Nesse momento, é importante conhecer empresas sérias – como é a Bitso – que podem oferecer a melhor orientação para o momento dessa escolha.

Depois disso, o caminho é abrir uma conta em uma corretora de investimentos para começar a investir e criar os seus ativos financeiros.

3 exemplos de ativos financeiros

Para falar de exemplos de ativos financeiros, não podemos esquecer de três:

  • ações;
  • títulos privados de renda fixa;
  • títulos públicos.

As ações são títulos que representam a menor fração do capital social de uma empresa. O acionista não é um credor da companhia, mas é considerado como um co-proprietário que possui direito a participação nos resultados da empresa. Essa participação depende do tipo da ação, que geralmente pode ser ordinária ou preferencial.

Uma ação não tem prazo para resgate, com a sua conversão em dinheiro podendo ocorrer a qualquer momento, dependendo da negociação no mercado. No momento de sua preferência, o investidor tem a possibilidade de mudar a sua participação acionária – sua quantidade de ações -, podendo abrir mão dos títulos que possui ou vendendo as ações de uma empresa e comprando a de outras.

As ações, assim como as nossas já bem conhecidas criptomoedas, são para investidores geralmente com propensão a maior risco, que costumam procurar por ativos de crescimento.

Agora, falando sobre os títulos privados de renda fixa, a emissão se realiza por meio de instituições privadas (a exemplo de bancos e de financeiras). Um exemplo bem popular desse tipo de título é o Certificado de Depósito Bancário (CDB). 

Importante observar que os prazos e a rentabilidades dos CDBs costumam variar, um “detalhe” que precisa ser avaliado com cuidado pelo investidor – por exemplo, nem todo CDB possui liquidez diária. Mas em relação ao nível de segurança, essa aplicação é considerada como segura, apresentando baixo risco, com sua garantia sendo realizada pelo Fundo Garantidor de Crédito.   

Em relação aos títulos públicos, estes são considerados como ativos de renda fixa, com emissão e garantia pelo Governo Federal, Estadual e Municipal. A finalidade dos títulos públicos é financiar a dívida pública, antecipar as receitas e servir como um instrumento de política monetária.

As vendas de títulos públicos podem ser feitas pela oferta pública por meio de leilões, pela venda direta através do Tesouro (oferta pública sem leilões), e por emissões para atender necessidades específicas previstas em lei.

Ativos financeiros: um conceito importantíssimo para os investimentos!

O artigo começou com uma charada, na qual a resposta foi dada logo em seguida. Mas, melhor do que só saber responder de forma certa, é realmente entender o sentido da resposta.

Isso passa por saber o que é ativo financeiro, suas características, seus tipos, a diferença entre ativo e passivo, como criar os seus ativos e quais são os seus principais exemplos. Essas são questões muito importantes, não apenas para que você possa fazer uma boa escolha de ativo financeiro, mas sim para fazer a melhor escolha para você.

Ah, e por falar em informação que pode te ajudar a escolher melhor, não se esqueça de olhar os outros artigos aqui do Blog da Bitso, porque informação de qualidade aqui não falta!

O Time Bitso é formado por especialistas em criptomoedas, garantindo informações seguras e precisas sobre o mundo cripto.